Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O PROTESTANTISMO E A FORMAÇÃO POLÍTICA BRASILEIRA A PARTIR DO SÉCULO XX
THAMARA LARISSA TORRES DE SANTANA

Última alteração: 13-10-18

Resumo


Esta pesquisa toma como objeto de análise a influência do Protestantismo, a partir do século XX, na formação brasileira estabelecendo relações entre sua conduta religiosa e alterações na dimensão política do país de sorte a vir se constituir, na atualidade, a despeito de suas diferenciações internas, em sujeito capaz de forçar seu projeto conservador na construção da agenda pública brasileira. A bancada evangélica é hoje a terceira em número de parlamentares, cujo mandato se faz em defesa da família e da moral cristã se opondo à agenda dos movimentos feministas e de homossexuais e dos grupos de direitos humanos. Esse discurso conservador ecoa e encontra ressonância não só entre os evangélicos, mas também entre católicos e outros grupos sociais mais conservadores não ligados, necessariamente, à religião, mas que vem ganhando números cada vez mais expressivos de seguidores. Vale ressaltar que diversas denominações de cristãos protestantes (presbiterianos, batistas, luteranos, anglicanos, etc.) vêm ocupando cargos que interferem diretamente na condução do Estado. Isso estabelece uma cópia, quase que fiel dos moldes protestantes norte americanos, onde a o protestantismo nega a separação entre Igreja e Estado, impulsionando seu próprio partido, o republicano. Acreditamos que o Brasil está traçando o mesmo curso, dada a expressiva presença, por exemplo, da bancada da bíblia no Congresso Nacional que elege seus representantes com a força e apoio dos fiéis protestantes reafirmando partidos e propostas conservadoras. Há que se esclarecer que os registros aqui apresentados expressam esforços de apreensão da temática que é objeto de pesquisa em processo que se encontra em estágio inicial estando compostos, além da problematização nesta parte introdutória, de duas outras em que apresentam o fenômeno do protestantismo a partir dos séculos XX, o protestantismo e a política brasileira e, por fim, as conclusões. Esta pesquisa tem sua natureza qualitativa com levantamento dos dados, em andamento, por meio da pesquisa bibliográfica, usando como referência autores como: Valdemir Saflate  e Paul Freston para discutirmos o Protestantismo e democracia no Brasil; Alderi de Souza Matos para destacarmos a História do Protestantismo no Brasil;  João Oliveira Ramos Neto, com a Reforma Protestante; Luís Gustavo Teixeira da Silva, que discorre sobre a Religião e política no Brasil; Leila Escorsim Netto, nos balizará na discussão do conservadorismo; Karl Marx e Max Weber num dialogo sobre a sociologia da religião. Entendendo a pesquisa como um material em andamento, ainda não possuímos conclusões, apenas aproximações e reaproximações com a temática proposta.

Palavras-chave


PROTESTANTISMO, FORMAÇÃO POLÍTICA, CONSERVADORISMO