Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Parâmetros ecológicos de Tropidurus torquatus em um gradiente de urbanização
Paulo Henrique Brum Resende

Última alteração: 25-10-18

Resumo


A temática de estudo “Ecologia urbana” vem ganhando destaque nas últimas três décadas. As expansões de áreas urbanas necessárias para comportar o crescimento demográfico humano, trazem drásticas alterações do uso do solo em ambientes naturais expondo áreas de hábitat à poluição e a fragmentação, sendo estas conhecidamente umas das principais causas da perda de biodiversidade de uma localidade. A pressão antrópica atua de formas diferentes em diferentes organismos, e existem grandes lacunas sobre como essa pressão atua nos répteis e especialmente como isso ocorre na América do Sul. Dessa forma foi escolhido como modelo de estudo Tropidurus torquatus, lagarto heliotérmico, territorialista, de pequena área de vida, onívoro, e de ampla distribuição em áreas abertas e impactadas para avaliar parâmetros ecológicos como distribuição, densidade, uso de substrato, período de atividade, detectabilidade, pressão predatória, relacionando tudo a um gradiente de antropização. Esse gradiente é formado por 45 paisagens que são os pontos amostrais distribuídos na área urbana de Cuiabá, Várzea Grande e arredores.  Cada paisagem é definida como um buffer de 300m² caracterizado segundo a porcentagem do uso de solo de cada elemento presente através de sensoriamento remoto. Os pontos estão distribuídos de forma homogênea com distância padronizada de 2km entre cada ponto, totalizando 45 pontos de amostragem. A amostragem se dá ao longo do dia entre as 06:30 e 18:30, sendo empregado uma hora de busca ativa em cada ponto. O estudo está em andamento com a coleta de dados sendo apresentados aqui dados e resultados parciais. Foram registrados 433 indivíduos em 47 horas de amostragem resultando em 9.2 registros por hora.  Em relação a uso de substrato, os mais utilizados foram: muro (51.03%); solo (18.93%); calçada (10.39%); árvore, madeira e vegetação (2.54% cada). Em relação a idade, 83.3% foram caracterizados como adultos (CRC ≥ 65mm) e 11.77% juvenil (CRC ≤ 65mm), 1.61% não puderam ser identificados. Entre os períodos de atividade (manhã, almoço e tarde), tarde teve o maior número indivíduos ativos por hora (11.33 ind.) seguido do almoço (9.89) e manhã (7.6). Quanto a exposição 49.2% foram observados na sombra, 31.6% no sol e 18.2% em mosaico sol/sombra. Para calcular largura de nicho espacial e temporal será utilizado o inverso do índice de diversidade de Simpson. Para frequência e temperatura será utilizada correlação de Pearson com um teste de normalidade Shapiro-Wilk. Para a modelagem de distribuição e adequabilidade de habitat serão usados dados de presença e ausência para GLM. Com o objetivo de diminuir o número de preditores será feita uma exclusão de modelos com os maiores coeficientes de correlação. Com isso esperamos obter quais as atribuições mínimas de uma paisagem para abrigar o lagarto, padrão de distribuição e predição de ocorrência, tolerância a antropização e padrão de atividade.

Palavras-chave


Ecologia Urbana; Antropização; Tropiduridae; Paisagem Urbana