Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
OS MIGRANTES DO SUL: SUJEITOS MIGRANTES NA AMAZÔNIA MATO-GROSSENSE
Elizângela Gomes dos Santos Siebiger

Última alteração: 22-10-18

Resumo


Esta pesquisa propõe um estudo etnográfico sobre fluxos migratórios advindos dos estados do Paraná e Rio Grande do Sul para a Amazônia mato-grossense. A cidade de Colíder apresenta em sua configuração uma série de trajetórias de sujeitos migrantes importantes para formação e desenvolvimento das dinâmicas urbanas na fronteira norte do estado de Mato Grosso. Na cidade um dos espaços de convivência desses migrantes é o Centro de Tradições Gaúchas (CTG). Tendo como ponto de partida, o CTG de Colíder, o objetivo é o de investigar não apenas como esses migrantes revivem manifestações culturais associadas a seus contextos de origem, mas como constroem narrativas associadas a uma ideia de “colonização da região” e de seu desenvolvimento.

 


Palavras-chave


Processos migratórios, Centro de Tradições Gaúchas, trajetórias

Referências


BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e fronteiras. A organização social da cultura diferente.

Oslo: Universitetsforlaget, 1969. ISBN 978-0-04-572019-4 (Reeditado Long Grove, IL:Waveland Press, 1998)

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 19. ed. Petrópolis: Vozes. 2000.

BOURDIEU, P. O poder simbólico: a identidade e a representação: elementos sobre a idéia de região. Rio de Janeiro: Beerthrand. 2000.

EVANS-PRITCHARD,E.E. Os Nuers. São Paulo: Perspectiva,1993.

CUNHA, J. M. P. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do centro- oeste brasileiro: o caso de Mato-Grosso. Disponível em: http://w.scielo.br/pdf/rbepop/v23n1/v23n1a06.pdf Acesso em: 09 out. 2017.

HALL, S. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A. 1997.

MELUCCI, A. O jogo do Eu: a mudança de si em uma sociedade global. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2004. 184 p.

MARTINS, José de Souza [1997]. O tempo da fronteira: retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. In: Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec: FFLCH/USP, 1997.

SANTOS, J. V. T. Matuchos: exclusão e luta: do sul para a amazônia. Petrópolis, Vozes. 1993.

SCHAEFER, J. R. As Migrações Rurais e Implicações Pastorais. Um estudo das migrações campo-campo do sul do país em direção ao norte do Mato Grosso. São Paulo, Edições Loyola, 1985.

WAGNER, Roy. 2010. “A cultura como criatividade”; “a invenção da antropologia” In. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify. Disponível em pdf.

WOORTMANN, Klaas. “Com Parente Não se Negocia”. O Campesinato como Ordem Moral in: Anuário Antropológico 87. Brasília: Ed. UnB, 1990.