Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
VARIAÇÃO SAZONAL DA COBERTURA ARBÓREA E A TMR EM ESTACIONAMENTOS PAVIMENTADOS DE ÁREA URBANA TROPICAL
Soneize Auxiliadora Miranda, Marta Cristina de Jesus Albuquerque Nogueira

Última alteração: 23-10-18

Resumo


RESUMO

Em regiões de clima tropical o sombreamento arbóreo é a principal estratégia passiva na atenuação do ambiente térmico, favorecendo a melhoria do conforto térmico em áreas urbanas externas. Entretanto, o potencial de sombreamento está associado a fatores do clima regional, aos atributos dos espaços intraurbanos e às características biofísicas e espaciais da cobertura arbórea. A temperatura média radiante (TMR) define o balanço de energia atuante em determinado ambiente, sendo um importante parâmetro na avaliação do stresse térmico ao pedestre em espaços externos. Neste contexto, o presente estudo objetivou analisar a variação sazonal da cobertura arbórea e da TMR em superfícies pavimentadas. O método foi composto por monitoramento microclimático em quatro estacionamentos com arborização lateral (T1) e quatro na lateral e central (T2). As medições foram realizadas sobre asfalto ao sol (Asol) e asfalto a sob dossel arbóreo (Asom), nos meses do período seco (P.S) e do período úmido (P.U), com aferição das variáveis microclimáticas: temperaturas do ar (Ta), da superfície (Ts) e de globo (Tg), umidade relativa (UR) e velocidade de vento (Vv). A caracterização da cobertura arbórea (CA) foi realizada por levantamento da arborização existente e a estimativa da CA por meio da elaboração de mapas obtidos pelo método de classificação direta. Os dados da Ta, Tg e Vv foram empregados na estimativa da TMR. A variabilidade sazonal da TMR, em relação aos fatores temporais e espaciais, foi avaliada por meio de testes estatísticos não paramétricos e análise de grupos homogêneos. Os resultados demostram que a variação da CA foi significativa entre os fatores temporal e espacial. No período P.S a CA apresentou redução em relação aos valores do P.U, com variação entre os diferentes tipos de estacionamentos. A variação sazonal da CA apresentou relação com percentual de espécies perenes, decíduas ou semidecíduas existentes, com efeito sazonal máximo no E-3 (-25%) e mínimo no E-7 (-2,6%). Entre as variáveis aferidas o sombreamento proporcionou maior impacto na Ts, com maior diferença entre Asol e Asom de -23,4°C no P.U, em relação à diferença de -18,5°C no P.S. A avalição estatística dos valores médios da TMR não reportou diferenças significativas entre o P.S e P.U, entretanto, para o fator horário a variação sazonal foi significativa. No P.S as diferenças máximas da TMR sobre Asol foram de -2,7°C às 7h, 2,8°C às 14h e de -0,6°C às 20h, em relação aos valores horários no P.U. O efeito sazonal do sombreamento sobre a TMR apresentou valores máximos de -0,5 a 1,2°C no P.S e de -0,5 a 1,5°C no P.U. Entretanto, houve variação espacial da TMR, ratificada pelos grupos homogêneos, com similaridade dos valores da TMR entre os estacionamentos E-1,6, e 4,5 do G2 e entre os E-2,3, e 7,8 do G1, não houve variação dos grupos homogêneos entre o P.S e o P.U. Os resultados apontam que a distribuição espacial da CA proporcionou maior impacto sobre a TMR, em relação à variação sazonal da CA nos estacionamentos avaliados.


Palavras-chave


Arborização urbana, ambiente térmico, estacionamentos