Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O PENSAMENTO INTECTUAL E A IMAGEM DE AUTOR: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE ESCRITOS DE/SOBRE PEDRO CASALDÁLIGA
Andreia Cristina Andre Soares MELO

Última alteração: 18-10-18

Resumo


Nesta tese, inscrita no âmbito da Análise do discurso (Pêcheux), propomo-nos refletir  como se constitui as imagens de autor a partir dos ditos e escritos de/sobre Dom Pedro Casaldáliga. Objetivamos com esta tese responder a um duplo questionamento: quais são os lugares de sujeito constituídos no processo de enunciação por e para Pedro Casaldáliga? e em que medida a imagem de autor constituída nos paratextos (título, prefácio, nome de autor...) estabelecem um lugar de autoria para Casaldáliga, distinto do veiculado em jornais de grande circulação nacional?. Neste caminho, com o intuito problematizar o sujeito intelectual produzimos um arquivo a partir de diversas materialidades como: dissertações e tese, sobre a vida e a obra de Pedro Casaldáliga, pesquisas vinculadas aos estudos literários, a história social e a teoria do discurso, para análise desse material tomamos como procedimento analítico, a História Social (GRAMSCI, 1981; LE GOFF, 1993) para compreender, no domínio do discurso científico, a constituição deste sujeito conferida ao então Bispo de São Félix do Araguaia – MT. Articula-se ao arquivo outros textos como: capa do Jornal “Caros Amigos”, publicados em 1998, entrevista concedida ao Jornal  “Pasquim”, n. 424 – Rio, de 12 a 18/08/77,  “Alvorada” jornal que circulou na região de São Félix do Araguaia – MT, no ano de 1978-1980, prefácios e excertos de obras de/sobre D. Pedro Casaldáliga “Descalço sobre a terra vermelha”(2014) de Francesco Escribano, “Nós, do Araguaia” (1979) de Edison Martins, “Cartas Marcadas” (2005), das obras do autor, “Creio na justiça e na esperança” (1975 [1978]), “Antologia Retirante” (1978), “Versos adversos” , “Quando os dias fazem pensar’ (2007), “ Na procura do Reino”(1988) e entrevista concedida por D. Pedro Casaldáliga no ano de 1988 à TV Cultura – Programa Roda Viva. Nesses materiais simbólicos identificamos a constituição de imagens de autor mobilizadas por marcas linguísticas. Dito de outra forma, os materiais mobilizam no campo discursivo vozes que se articulam e se estruturam constitutivamente por meio dos dêiticos ao contexto de enunciação, no tratamento polifônico das fontes enunciativas e na mobilização dos saberes pré-construído (Pêcheux, Ducrot, Carel, Nolke, et ali). A fim de mobilizar o posicionamento dos autores enunciativos, em que o leitor pela cenografia (Maingueneau) se inscreve na compreensão do texto analisaremos os posicionamentos discursivos possíveis à interpretação. Nesse processo leva-se em consideração o sujeito e a história, nos termos de Benveniste.


Palavras-chave


Imagens de autor; Autoria; Polifonia ScaPoline.

Referências


ANGERMULLER, J. Análise do Discurso Pós- estruturalista: as vozes do sujeito na linguagem em Lacan, Althusser, Foucault, Derrida e Sollers.  São Paulo: Ed. Pontes, 2016.

BENVENISTE, E. Problemas de Lingüística Geral II. Campinas: Pontes, 2006.
BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral. São Paulo: USP, 1976.

DUCROT, O. Esboço de uma teoria polifônica da enunciação. In.: O dizer e o Dito. Campinas – SP:Ed.Pontes, 1987. p, 161-218

MAINGUENEAU. D. Discurso e análise do discurso.  Trad. Sírio Possenti.São Paulo – SP: Ed. Parábola , 2015

_______________. Cenas da enunciação. São Paulo – SP:Ed. Parábola, 2008

_______________. Doze conceitos em análise do discurso.  São Paulo – SP:Ed. Parábola, 2010

_______________. O contexto da obra literária. Leitura e crítica. São Paulo- SP:  Ed. Martins Pontes, 1995