Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A imagem de afirmação de professoras da Educação Básica: uma discussão mediada pela Dimensão Pedagógica do Cinema Negro
AGNALDO PÉRIGO, CELSO LUIZ PRUDENTE

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Esse trabalho é o recorte de uma pesquisa baseada em narrativas de professoras negras de escolas públicas de Educação básica no município de Nobres-MT. Tem como objetivo perceber a imagem de afirmação positiva dessas professoras numa análise alicerçada na influência das relações de raça e gênero bem como compreender o processo de luta e resistência contra as formas de opressão a que são submetidas enquanto mulher negra e professora. Metodologicamente a pesquisa se caracteriza como uma abordagem qualitativa de acordo com Minayo (2007), utilizando o método da história oral de vida de acordo com Chizzotti (2011) em diálogo com Telles (2002) e Benjamin (1994) para a exploração das narrativas dessas professoras. Para a produção de dados foi utilizado o diário de campo, a entrevista semiestruturada e questionários. As participantes da pesquisa são quatro professoras negras de escolas estaduais de Nobres-MT. Aportes teóricos foram considerados destacando-se: Prudente (2010), Fernandes (2008), Azevedo (2005), Pereira (2013), Nascimento (1961),Carneiro (2011), Gomes (1995) e Freitas (2017), entre outros. Os resultados preliminares da pesquisa indicam que a mulher negra que se dedica a profissão de professora teve em sua história um percurso de luta para conseguir uma mobilidade social e ascender profissionalmente diante de situações de exclusão e discriminação racial e de gênero que fazem parte do seu cotidiano. As participantes relatam momentos que embora não identifiquem como práticas racistas ou discriminatórias evidenciam as barreiras que são postas à população negra brasileira. A pesquisa ainda demonstra que a mulher negra e professora têm uma imagem de afirmação positiva bem definida que reflete o processo de luta e resistência desenvolvido em sua vida pessoal e profissional.

Palavras-chave


Educação Básica. Professora Negra. Dimensão Pedagógica do Cinema Negro. Imagem de afirmação positiva. Relações Raciais e de Gênero.

Referências


BEAUVOIR, Simone de. (1980). O segundo sexo. Trad. Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

 

BRASIL./ Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana./ Brasília, Outubro, 2004. Disponível em http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/DCN-s-Educacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf./Acesso em 05/06/2017.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade / Judith Butler; tradução, Renato Aguiar, 8ª Ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

 

FERNANDES, Florestan. Brancos e negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. 4ed. Ver. São Paulo: Global, 2008.

 

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande e Senzala. Editora Global, 49ª ed. São Paulo, 2004.

 

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

 

HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T.T; HALL, S.; WOODWARD, K. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução: Tomáz Tadeu da Silva. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2009.

 

HOFBAUER, Andreas. Uma história do branqueamento ou o negro em questão. São Paulo, Unesp, 2006.

 

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Editora Vozes, 6ª Ed., Rio de Janeiro, 1997.

 

QUERINO, Manuel. O colono preto como fator da civilização brasileira. Disponível em:

https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/20815/13416. Acesso em

19/04/2017.

 

PONTE, J. P. (1992). Concepções dos professores de matemática e processos de formação. In Brown M. et al.  Educação matemática: Temas de investigação (pp. 185-239). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional e Secção de Educação e Matemática da SP. In: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/2985/1/92Ponte%20(Concep%C3%A7%C3%B5es).pdf. Acesso em: (08/08/2017).

 

PRUDENTE, Celso. Barravento: o negro como referencial estético do cinema novo de Glauber Rocha. São Paulo: Fiuza, 2010.

 

___________ Para entender o que é Cinema Negro. Disponível em: http://vermelho.org.br/noticia/43757-1 . Acesso: 15/06/2017.

 

___________ Cinema Negro: algumas contribuições reflexivas para a compreensão da questão afro-descendente na dinâmica sócio-cultural da imagem. São Paulo: Fiuza, 2008.