Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
O papel das Mulheres Boe e as concepções das emoções nos rituais
Maria Elizandra Lopes Torekureuda, Marina Veiga França

Última alteração: 22-10-18

Resumo


O presente trabalho tem por finalidade fazer uma discussão sobre como o Povo Boe (Bororo) trabalha questões relacionadas ao corpo e às emoções, partindo da expressão de sentimentos que se dão em rituais culturais, principalmente no ritual funerário, no período de luto e no pós luto, assim como em festas como o Mano Paru. Esta é uma das cerimônias do povo Boe, que acontece uma vez por ano, quase sempre no mês de abril ou maio, em que se percebe rivalidade e reafirmação de cada clã. Os dois clãs competem entre si, em uma corrida com uma roda do mano. Partindo do olhar da mulher Boe, busco mostrar sua importância na sociedade Boe, que tem um sistema de filiação e de organização social matrilinear. Neste contexto ritual, as mulheres sempre estiveram articuladas, junto aos homens, e são muitas vezes extremamente competitivas no que diz respeito a seu grupo clânico, prezando por transmitir seus conhecimentos às mulheres mais jovens. Dentro dessa discussão, busco identificar no campo da antropologia possibilidades de reflexão sobre corporalidade e emoções e também sobre desafios que precisam ser superados para um diálogo e uma atuação eficaz e coerente no campo da saúde dos povos indígenas. Partindo de uma formação em psicologia e a considerando como um campo que reflete muitas vezes uma construção sócio histórica de um saber universalizante que pouco dialoga com questões das alteridades étnicas, parece-me vital um estreito diálogo com outras áreas do saber que priorizem essas questões, principalmente no âmbito da cultura e cosmologia desses povos. Dessa maneira, pretendo buscar uma interlocução com a antropologia, por ser uma área de conhecimento que se destaca pela importância dada às questões culturais presentes em todo grupo étnico e social, e que se dedicou de maneira especial ao estudo dos povos indígenas. Estabeleço assim como tema as concepções das emoções, com foco no povo Boe da Terra Indígena Meruri, na tentativa de buscar compreender o sentido de diferentes emoções para tal povo, em sua própria complexidade. A análise dos sentimentos não pode se limitar exclusivamente à dimensão individual ou cultural, e sim tratar a construção de ambas em interação, na medida em que se mostram complementares e indissociáveis.

Palavras-chave


Emoções, Corpo, Povo Boe Bororo

Referências


ASAD, Talal. Introdução a Anthropology and the Colonial Encounter. Ilha – Revista deAntropologia, 19 (2): 313-327, dezembro de 2017.
CLASTRES. Pierre. “A questão do poder nas sociedades primitivas”. In: Arqueologiada violência: pesquisas de antropologia política. São Paulo: CosacNaify, 2004.
ISA. Bororo. Publicado originalmente em 01/2001 (Povos indígenas no Mato Grosso).Disponível em: <https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Bororo#L.C3.ADnguafile:///C:/Users/User/Downloads/Mulheres_Homens_e_Herois_-_dinamica_e_pe%20(1).pdf>. Acesso em: 20 de ago. 2018.
ROCHA, Cinthia Creatini da. O papel político feminino na organização socialKaingang. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades,Deslocamentos, 2010, Florianópolis. Anais eletrônicos [recurso eletrônico]. Disponívelem:<http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1277601188_ARQUIVO_ApresentacaoFinal_formatada30junho.pdf>. Acesso em: 21 de ago. 2018.VERDUM, Ricardo; et al. (orgs.). Mulheres Indígenas, Direitos e Políticas Públicas.Brasília: Inesc, 2008
CLASTRES. Pierre. “O arco e o cesto”. In: A sociedade Contra o Estado. Rio deJaneiro: Francisco Alves, 1988.ADUGOENAU, Félix Rodon. Saberes e Fazeres Autóctones Bororo: contribuições paraa educação escolar intercultural indígena. 117f. Dissertação (Mestrado em Educação) -Instituto de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2015.LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos (Título original: Tristes Tropiques). Lisboa,PT: Edições 70, LDA, 1993.