Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
PRÁTICAS AVALIATIVAS, FORMAÇÃO E CONCEPÇÃO DOCENTE - CAMINHOS PERCORRIDOS NA ESCOLA
Edna de Oliveira Souza Silva

Última alteração: 20-10-18

Resumo


PRÁTICAS AVALIATIVAS, FORMAÇÃO E CONCEPÇÃO DOCENTE - CAMINHOS PERCORRIDOS NA ESCOLA

 

 

EDNA DE OLIVEIRA SOUZA SILVA[1]

RESUMO: A presente pesquisa apresenta e reflete dados preliminares sobre Práticas Avaliativas. Se justifica em um contexto em que as políticas públicas se servem das avaliações para iniciativas de reforma e as tomam como medidas de qualidade educacional. Este fato posiciona a avaliação como tema de ordem prioritária na perspectiva de aprimorar a qualidade do desenvolvimento da pessoa humana. Para tanto, tem como objetivo geral investigar as práticas avaliativas nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I, a fim de analisar a práxis entre a formação e a concepção de avaliação no exercício das práticas educativas dos professores de uma escola da rede estadual do município de Rondonópolis-MT. São tomados como referenciais teóricos os autores:  Carvalho, (2005), Freire (1997, 2001, 2013, 2015), Luckesi, (2011, 2014, 2018), Pimenta, (2011). Será ancorado, sobretudo, nas concepções de avaliação de aprendizagem de Luckesi e na perspectiva Freiriana sobre a formação docente, por entender que esses pensadores têm como princípio básico a humanização. Para refletir sobre pressupostos teóricos metodológicos que embasam as práticas avaliativas suscitou-se a seguinte questão: Como o professor concebe as práticas avaliativas e de que maneira as ações de formação continuada desenvolvidas na escola influenciam a pratica pedagógica? Para o desenvolvimento da pesquisa em andamento adotou-se a abordagem qualitativa, sendo um estudo de caso direcionado pelo método dialético-fenomenológico, na perspectiva freiriana, por apontar uma atitude dialógica e humanizadora na ação educativa. Os dados coletados estão sendo analisados à luz do referencial teórico de: André, (2008), Bicudo, (2011), Minayo, (2004), Sueli, (2012), Wachowicz, (1991), Gadotti, (2003, 2010), entre outros. Os sujeitos são dois professores, um do 4º e um do 5º ano do Ensino I, uma vez que essas turmas se encontram em um momento do percurso formativo de intensa pressão avaliativa devido à Prova Brasil e à transição dos unidocentes para os especialistas habilitados nas disciplinas no ano de 2019. O material empírico obteve-se por meio de entrevistas, memorial, observação dos encontros formativos, observação da sala de aula, e análise de documentos para triangular os dados, (o plano de aula, o Projeto Político Pedagógico, o Projeto de Formação Profissional). A análise dos dados está sendo realizada com base nas categorias: práticas avaliativas, concepção e formação docente. Os resultados da pesquisa em andamento indicam que a formação continuada é espaço de grande relevância. Revela que mesmo tendo avanços, ainda há reprodução de modelos anteriores que influenciam à prática escolar. Além disso, depoimentos denotam que a concepção de avaliação tradicional, com sistema classificatório não apontam as dificuldades e possibilidades reais dos alunos e professores e que práticas antidemocráticas não contribuem para uma perspectiva de educação libertadora freiriana, na ação educativa.

 


[1] Pedagoga pela UFMT/Câmpus de Rondonópolis. Especialista em Metodologia da Língua Portuguesa para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental-UFMT/ Câmpus de Rondonópolis-MT. Especialista em Coordenação Pedagógica pela UFMT/ Câmpus de Cuiabá. Mestranda em Educação pelo PPGEdu/UFMT/CUR, edna.oliveira.souza@gmail.com


Palavras-chave


Práticas Avaliativas, Formação Continuada, Concepção Docente.