Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A QUÍMICA DO CANJINJIM: UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA INTERATIVA
Fabia Elaine Melo

Última alteração: 08-10-18

Resumo


O presente trabalho expressa apresenta a sistematização e aplicação de uma Sequência Didática Interativa abreviada por SDI empregada como um guia didático, a partir do desenvolvimento da pesquisa intitulada: A Química do Canjinjim: uma Sequência Didática Interativa, a saber, o Canjinjim uma bebida tradicional do regionalismo cultural mato-grossense, usada como temática na construção do suposto guia. Com o intuito de nortear o processo do ensino de Química no sentido de envolver os estudantes no conhecimento histórico investigativo através de um processo de constructo do Canjinjim como parte constitutiva dessa cultura regional, agregando a um conjunto de atividades conectadas entre si, permitindo a interação dialética que contemplem a leitura científica. Desta forma, estudamos aborda teoricamente os processos de ensino-aprendizagem envolvendo conceitos científicos da área de Ciências Naturais e sua relação com a cultura e a sala de aula no contexto da educação básica. A investigação proposta adotará aspectos de pesquisa bibliográfica de caráter qualitativo tendo como instrumentos de coleta de dados questionários com perguntas abertas e o Círculo Hermenêutico-Dialético, aplicado em um curso de formação continuada realizado pela pesquisadora e professora formadora do Centro de Formação de Professores de Cuiabá (CEFAPRO/Cuiabá-MT), junto a professores da Área de Ciência da Natureza da educação básica da rede pública da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso.

 

Palavras-chave: Cultura; Sequência Didática Interativa; Canjinjim; Ensino de Química.


Referências


AFFONSO, R. S.; RENNÓ, M. N.; SLANA.Aspectos Químicos e Biológicos do Óleo Essencial de Cravo da Índia. Revista Virtual Química, p.146-161, 2012.

AUSUBEL, D.; NOVAK, J. & HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana, 1980.

ASSIS,E.de. Contribuição para o Estudo do Negro no Mato Grosso, Cuiabá: Ed/UFMT, 2005.

BACHELARD, G. A formação do Espírito Científico: Contribuições para uma psicanálise do conhecimento. Tradução: ABREU, E. S. Contraponto: Rio de Janeiro, 1996,           5ª                          reimpressão,       2005,   316p.                      Disponível                             em: http://astro.if.ufrgs.br/fis2008/Bachelard1996.pdf. Acesso em 10 de maio 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC; SEMTEC, 2005.

BOAS, F. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação. Portugal: Porto Editora. 1994

CHASSOT, A. Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. Unijuí: Ijuí, 3ª ed. 2003. 440p.

Educação conSciência. Ijuí: Editora Unijuí.2003

. Fazendo educação em Ciências em um curso de pedagogia com inclusão desaberes populares no currículo. Química Nova na Escola, 27, pp. 9-12, 2008.

CHASSOT, A. I.; OLIVEIRA, J. R. (org.). Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 1998, p. 25.

ELIOT, T. S. Notas para a definição de cultura. São Paulo: É Realizações, 2011.

 

FORQUIM, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemologias do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GIMENO SACRISTÁN, J.(Org.). Saberes e incertezas do currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

GIL PEREZ,D.¿Cómo promover elinterés por cultura científica?Uma propuesta didáctica fundamentada para La educación científica de jóvenesde15s18años. In: Década de La Educaciónpara El desarrollosostenible. UNESCO (Oficina Regional de Educación para América Latina y el Caribe),2000.


GONDIM, M. S. C. &MÓL, G. S. Interlocução entre os saberes: relações entre os saberes populares de artesãs do Triângulo Mineiro e o ensino de Ciências. In:Anais do VII Encontro nacional de pesquisa em educação em Ciências. Belo Horizonte: ABRAPEC, 2009.

JAPIASSÚ, H. MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica.5 ed.São Paulo: Atlas, 2003.

LARAIA, R. de B. Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LEITE,J.C.Quilombolas do vale do Guaporé, modos de conhecimento e território. Cuiabá:EdUFMT, 2014.

LE COUTEUR, P. e BURRESON, J. Os Botões de Napoleão:as 17 moléculas que mudaram a História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

LOPES, A. R.C e MACEDO,E.Cultura e Currículo: O lugar da ciência. São Paulo. Cortez, 2011.