Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Errantes urbanos: os moradores de rua em Cuiabá-MT
Juliano Batista dos Santos, José Serafim Bertoloto

Última alteração: 11-10-18

Resumo


Em Cuiabá, assim como em outras capitais brasileiras, os moradores de rua, ou pessoas em situação de rua, são partes integrantes da paisagem dos espaços públicos urbanos. Um componente permanente da imagem da cidade que, mesmo considerado feio e indesejável, persiste e resiste às exclusões social, política e econômica. A fim de conhecer como é a vida de alguns desses sujeitos e suas táticas de sobrevivência para a superação e adaptação às dificuldades cotidianas, eu me propus, a partir do método etnográfico, ir às ruas para acompanhá-los de perto – experiência in loco que, associada às literaturas sobre o tema, permitiu-me também observar como é a relação entre cidade racionalizada e a cidade praticada pelas pessoas em situação de rua, compreender porque os moradores de rua são entre os errantes ordinários os errantes por excelência, apresentar e analisar o perfil (retrato censitário) da população de rua em Cuiabá, verificar o que é e que não é cumprindo pelas autoridades públicas municipais e estaduais conforme determinado pelo ordenamento jurídico destinado exclusivamente aos vulneráveis sociais sem teto, identificar os estigmas empregados no jornalismo on-line nas/das mídias sociais locais, entre outras questões em que a população de rua é a protagonista da pesquisa.


Palavras-chave


Errantes Urbanos, Moradores de Rua, Cuiabá.

Referências


AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2001.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

FRANGELLA, Simone M. Corpos urbanos errantes. São Paulo: Annablume, FAPESP, 2009.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1999.

GROS, Frédéric. Caminhar, uma filosofia. São Paulo: É Realizações, 2010.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

PAIS, José Machado. Sociologia da vida quotidiana: teorias, método e estudos de caso. Lisboa-Portugal: Impressa de Ciências Sociais, 2002.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio G. (Org.). O fenômeno urbano. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

VELHO, Gilberto. O desafio da proximidade. In: ______; KUSCHNIR, Karina (Org.). Pesquisas urbanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.