Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Escrituralidade e oralidade: traços fonológicos da língua alemã no falar norte-mato-grossense a partir de cartas pessoais
Grasiela Veloso dos Santos Heidmann, Elias Alves de Andrade

Última alteração: 18-10-18

Resumo


A pesquisa possui enfoque no levantamento descritivo de usos linguísticos em corpus de duas naturezas (escrita e falada), e visa refletir sobre a língua e sua capacidade de mobilidade em contexto social norte mato-grossense, que caracteriza-se por um cenário linguístico dialetal dinâmico, mais especificamente com o registro de falares que podem passar ou indicar mudanças. Entende-se, pois, que é prioritário lançar um olhar reflexivo e analítico sobre a língua local, que possui suas peculiaridades advindas de processos colonizadores que contribuíram para uma miscigenação étnica e cultural do estado de Mato Grosso. Assim, esta pesquisa privilegia o estudo de traços fonológicos de algumas variáveis relacionadas a falantes bilíngues (Português/Alemão) presentes em cartas e em dados orais (dimensão diamésica).  O primeiro corpus da pesquisa é constituído por 56 cartas pessoais, oriundas da região sul do Brasil, de meados dos anos 1970 até 2002, destinadas a Sinop- MT ou escritas por sinopenses, quando ainda não residiam nessa cidade. O segundo, por corpus oral, por meio de entrevistas e aplicação de questionários a moradores da cidade de Sinop, Santa Carmem, Vera e Cláudia (cidades que compunham a antiga Gleba Celeste na década de 1970). Os informantes são falantes de alguma variedade do alemão e moradores de diversas áreas nessas cidades. Assim, um dos objetivos específicos está centrado na análise no nível fonológico, pois o gênero carta apresenta características que permitem observar traços da oralidade que os escreventes transpõem para a escrita. O trabalho segue os seguintes passos: (i) apresentação de uma edição fac-similar e semidiplomática justalinear das cartas pessoais/familiares, correspondentes aos séculos XX e XXI, destinadas e/ou escritas por sinopenses; (ii) explanação dos aspectos sócio-históricos e culturais mais relevantes relacionados à origem e destino das cartas, ou seja, aspectos dinâmicos da migração dos escreventes com a antiga gleba celeste; (iii) apresentação das ocorrências fonológicas, relacionadas ao uso variável  de fonemas oclusivos ou plosivos bilabial, alveolar e velar /p/, /b/, /t/, /d/, /k/ e /g/, respectivamente, e testados in loco; (iv) aplicação de um questionário fonético-fonológico para os informantes baseados em questionário do Atlas Linguístico e Etnográfico da Região Sul - ALERS (2002) e da Dialetologia Pluridimensional e Contatual (RADTKE & THUN, 1996), com método da Geolinguística, considerando as dimensões diageracional, diagenérica, diastrática, diatópica, diamésica e dimensão contatual ou dialingual, com o intuito de verificar a realização fonológica a partir das ocorrências nas cartas, bem como entrevista semidirigida (etnotextos) para melhor captar as nuances dessas realizações. A análise compara com dados já estudados na região sul do Brasil, principalmente com Gewehr-Borella (2014), a fim de verificar pontos congruentes e incongruentes para o mesmo fenômeno em contexto dinâmico de migração desses grupos. O trabalho também envolve o referencial teórico que trata da relação de tradição discursiva (TD) e escrituralidade com base nos pressupostos dos romanistas Koch e Oesterreicher (1990) e Kabatek (2006). Considera-se importante essa abordagem, para a compreensão da relação entre o texto escrito e falado, bem como da sua historicidade.

Palavras-chave


Cartas. Dialetologia. Fonemas oclusivos/plosivos.

Referências


BORELLA, S. G. "Tu dampém fala assim?" : macroanálises pluridimensionais da variação de sonorização e dessonorização das oclusivas do português de falantes bilíngues hunsriqueano-português. Tese (Doutorado) - Curso de Letras, Programa de Pós-graduação em Letras., UFRGS, Porto Alegre, 2014.

KABATEK, J. Tradições discursivas e mudança lingüística. In: LOBO, T.; RIBEIRO, I; CARNEIRO, Z.; ALMEIDA, N. (Orgs). Para a História do Português Brasileiro. Salvador, BA: EDUFBA, 2006, Vol. VII. p. 505-527.

KOCH, P.; OESTERREICHER, W. (1990): Gesprochene Sprache in der Romania: Französisch, ltalienisch, Spanisch. Tübingen: Max Niemeyer, pp. 8-17.

KOCH, W.; Klassmann, M. S.; ALTENHOFEN, C. Atlas Linguístico-etnográfico da Região Sul do Brasil. Porto Alegre/Florianópolis/Curitiba: Ed. UFRGS/Ed. UFSC/ Ed. UFPR, 2002. v. 1, v. 2.

RADTKE, E.; THUN, H. (Org.). Nuevos caminos de la geolingüística románica. Un balance. In: ______. Neue wege der romanischen Geolinguistik: akten des Symposiums zur Empirischen Dialektologie. (Heidelberg/Mainz, 21-24.10.1991) Kiel: Westensee-Verl., 1996.