Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
“JUNHO DE 2013”: AS FRANJAS DA REVERBERAÇÃO DE UM ACONTECIMENTO NO CONTEXTO SOCIOCULTURAL DE 2018
Juliana Santana dos Santos, Pedro Pinto de Oliveira

Última alteração: 11-10-18

Resumo


No ano de 2013 ocorreram diversas manifestações pelo Brasil que ficaram conhecidas como “Junho de 2013”. O movimento teve inicio quando no estado de São Paulo houve aumento da passagem de três reais para três reais e vinte centavos, aos poucos, a pauta se ampliou. A frase “não é pelos vinte centavos”, escrita em vários muros da capital paulista, deixou claro o desejo de extrapolar a reivindicação original. O movimento se espalhou pelo Brasil com as mais diversas pautas: reivindicação por educação de qualidade; saúde; habitação; transporte; segurança; questionamentos sobre as pautas do Congresso como a “Cura gay”; cobrança de transparência nos gastos públicos, entre outros. As manifestações atingiram capitais, cidades grandes e cidades pequenas. O público era diverso tanto em raças como classes sociais. De acordo com Louis Quéré podemos dizer que este Acontecimento se tornou um campo problemático, pois houve a transformação de um acontecimento local em problema público e politico, o qual desencadeou outros novos acontecimentos que foram ganhando significação. O nosso objetivo com este projeto é buscar apreender as franjas da reverberação desse acontecimento no contexto sociocultural atual. Identificar e refletir sobre esse acontecimento a partir da pergunta condutora: os valores postos em ação por grupos de ativismo no “Junho de 2013” tiveram ou não continuidade em 2018? Para responder a esta questão, iremos analisar postagens nos sites dos grupos Mídia Ninja, MBL e Black Blocks durante o período das manifestações de 2013 em comparação do ano de 2018. Analisar o enquadramento dado pela mídia especializada sobre estes grupos no período das manifestações de 2013 e no ano de 2018. Identificar os valores reverberados por estes grupos em suas postagens, fotos, vídeos e cartazes nas ruas. E comparar os valores postos em interação nas manifestações de 2013 com os valores do contexto do ano de 2018. Este projeto torna-se importante e necessário, pois uma teoria da valoração é sempre uma crítica aos valores compartilhados em uma sociedade, que afetam diretamente a vida de todos seja nos modos de comportamentos, nas ideologias, nas práticas sociais e culturais e relação das instituições com os diferentes públicos. No contexto cultural e político atual no Brasil o conflito entre os grupos sociais vem assumindo uma escala cada vez mais forte seja nos enfrentamentos pelas redes sociais ou nas ruas, inclusive com o uso de violência, uma polarização politica com diferentes estratégias comunicativas e de valores em embate. Grupos que brigam entre si e não acreditam mais nas instituições, mas sim em “salvadores da pátria”, algum individuo que será capaz de tirar o país da crise e fazer diferente de todos os outros. Torna-se imprescindível um estudo que aponte os valores que levam a sociedade a se organizar e a se constituir pelo conflito.

Palavras-chave


Comunicação; Cultura; Política; Acontecimento; Conflito.

Referências


FRANÇA, Vera. O acontecimento e a mídia. Galaxia (São Paulo, Online), n. 24, p. 10-21, dez. 2012.

FRANÇA, Vera Regina Veiga e OLIVEIRA, Luciana (orgs). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

LAGE, Leandro Rodrigues. SALGADO, Tiago Barcelos Pereira. Por uma abordagem pragmatista dos acontecimentos: Entrevista com Louis Quéré. Revista do programa de pós-gradução da escola de comunicação da ufrj issn 21758689 dossiê: comunicação e catástrofe volume 14 número 02.