Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A DINÂMICA PRODUTIVA TEMPORAL DO ESPAÇO EM RONDONÓPOLIS NA DÉCADA DE 1970
Rosana Aparecida Demarchi, Antonia Marilia Medeiros Nardes

Última alteração: 31-10-18

Resumo


O espaço geográfico é o palco das interações sociais em que os atores envolvidos percorrem um circuito denominado “dinâmico socioespacial”, pelo qual, perpassam as relações de trabalho, de produção no campo e cidade, pois, notoriamente estão inter-relacionadas. A organização do espaço agropecuário em Rondonópolis estabelecida de forma racional por meio da implementação dos modelos de produção agrária revela trajetória de apropriação, ocupação e desterritorialização fundiária ao longo de décadas. Sobremaneira, objetivamos identificar os fatores históricos da produção agropecuária no espaço temporal de 1970, em razão de o município ser referência no modelo produtivo com base no agronegócio. A sistematização racional científica necessita do emprego da metodologia, que naturalmente é sinônimo de “estrutura”, ou seja, perfaz um conjunto de normas elaboradas para o entendimento do objeto de estudo. De modo que, tal circunstância, propõe o método de análise espaço-temporal lógico dialético, para compreender a dinâmica que ocorreu entre o campo e cidade, corroborando com os processos de ocupação e transformação do espaço, bem como, a cristalização do modelo produtivo vigente. Neste sentido, os procedimentos adotados para apreensão da realidade foram: pesquisa bibliográfica por meio de livros, dissertações, teses e artigos. Seleção e delimitação da área de estudo por meio da técnica de Geoprocessamento com o uso do Software Google Earth que subsidiou a representação do mapa temático. Pesquisa documental no núcleo de documentação histórica Otávio Canavarros, com o levantamento de registros de imagens fotográficas. Levantamento de dados em sites oficiais como: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e Ministério do Meio Ambiente. Em consequência aos processos de produção com base na mecanização agrícola ocorreram significativas mudanças na organização espacial. O levantamento dos dados obtivera como base dois pilares do desenvolvimento econômico no Brasil: a implantação dos novos modelos globais de produção agrária na fase de 1970 e o crescimento demográfico abrupto na cidade, causando resultado impactante na vida das pessoas e das comunidades. Tal dinâmica socioterritorial é relevante em curto período de tempo, pois, transformou a pequena vila de Rondonópolis em uma cidade visualizada como uma cidade pólo da economia regional. Ao enfatizar o processo desenvolvimentista de expansão capitalista a partir da década, Rondonópolis desenvolve aceleradamente as demandas de modernização no campo com a implementação das atividades voltadas ao segmento pecuário, ao comércio e, ao plantio de grãos como a soja. Esta fase revela-se como Revolução Verde, que, impulsionada por seu aspecto ideológico denominado Welfare State, ou seja, o Estado de Bem Estar Social avança por meio de interesses econômicos, gerando instabilidades nas relações de trabalho, e, reproduzindo a hegemonia do capital. Com destaque para a questão demográfica, sustenta-se que ocorre o processo de migração expressiva da população para a cidade em função dos fatores da modernização no campo. Contudo, os elementos do processo produtivo que envolve o agronegócio na escala local proporcionaram o desenvolvimento tecnológico no campo, em contrapartida, os impactos socioambientais gerados com esta dinâmica revelam arranjos espaciais segregados e segmentados.


Palavras-chave


Espaço, Dinâmica Produtiva, Agronegócio

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Região Centro-Oeste. Rio de Janeiro :IBGE, 1988.

SANTOS,Milton. A natureza do espaço. 4 ed. São Paulo: USP, 2012.

HARVEY, David. A produção Capitalista do Espaço. São Paulo: Anablumme,2005.