Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Atividade alelopática de Lixeira (Curatella americana L.) - Dilleniaceae
Sharmely Hilares Vargas, Maria de Fátima Barbosa Coelho, Hipólito Murga Orrillo

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Curatella americana L. é árvore típica da vegetação de cerrado, conhecida popularmente por caimbê, chaparro, curatá, lixeira e cajueiro-bravo. Objetivou-se verificar se os extratos foliares de Curatella americana apresentam efeito alelopático sobre a germinação e o desenvolvimento inicial de aquênios de alface (Lactuca sativa L.). Foi utilizado o extrato aquoso de folhas frescas de C. americana nas concentrações de 0, 25, 50, 75 e 100% obtidas por diluição em água destilada fria. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com cinco tratamentos constituídos pelas concentrações do extrato com quatro repetições de 25 aquênios de alface e fotoperiodo de 12 horas durante 7 dias. Os valores do pH e potencial osmótico dos extratos estiveram dentro dos parâmetros estabelecidos, portanto não influenciaram nos resultados. As diferentes concentrações do extrato não afetaram a porcentagem de germinação de aquênios de alface que variou de 96 a 99%, a porcentagem de plântulas anormais foi baixa situando-se entre 1 e 4% e o índice de velocidade de germinação (IVG) variou de 22 a 23. O comprimento da raiz e da parte aérea e a massa seca da plântula foram inversamente proporcionais as concentrações com os dados ajustados a um modelo de regressão quadrático. A raiz foi a estrutura vegetativa mais sensível ao extrato, sendo reduzida até 70% em relação ao controle (0%). O índice alelopático foi alto nas maiores concentrações do extrato. O potencial alelopático dos extratos de C. americana é dependente da concentração e atua sobre características ligadas ao crescimento inicial.


Palavras-chave


Lactuca sativa; bioensaios; germinação; extrato