Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Modos de Viver: Juventudes quilombolas, trabalho e educação em Mato Grosso
Zizele Ferreira dos Santos, Candida Soares da Costa

Última alteração: 14-10-18

Resumo


O presente projeto de pesquisa de Doutorado apresentado à Universidade Federal de Mato Grosso, no Programa de Pós-Graduação em Educação, na área de concentração Educação, na Linha de Pesquisa, Movimentos Sociais, Política e Educação Popular – Vinculado ao Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre Relações Raciais e Educação (NEPRE/UFMT), propõe-se compreender como se dá a construção dos modos de viver de jovens quilombolas de Mato Grosso em um quadro social estrutural que envolve trabalho e educação. O crescente número de produções científicas acerca das trajetórias de vida de jovens brasileiros foi, segundo a Secretaria Nacional da Juventude, impulsionado após o reconhecimento do termo “jovem” na Constituição da República Federativa do Brasil. Compreender as singularidades e peculiaridades dessa categoria social, somando-se a marcadores de diferença como o de raça, é fundamental para entender a juventude brasileira que, em universo de 50 milhões de jovens, 64,9% corresponde a jovens negros.  Os índices sociais referentes ao acesso de estudantes negros e/ou quilombolas (18-29 anos) ao Ensino Superior revelam sub-representações. Para esse segmento populacional, jovem, negro e quilombola, a formulação de projetos de vida relacionados à sua ascensão social por meio da Educação está continuamente convivendo entre condições e situações sociais, e mesmo a perspectiva de melhorias de vida via esse acesso, a educação escolar. Para tanto, tomando os (as) jovens como sujeitos sociais, buscaremos responder as seguintes perguntas: Quais são os modos de viver desses jovens quilombolas? Como se tecem as culturas juvenis em suas comunidades? Quais sentidos atribuem à educação e ao trabalho? Esta pesquisa, a partir de uma perspectiva sociológica, ancora-se no conceito metodológico da Sociologia da Vida Cotidiana de José Machado Pais. Trata-se, portanto, de uma pesquisa social, de abordagem qualitativa, na qual faremos análises bibliográficas e documentais, bem como, no trabalho de campo, utilizaremos para a coleta de dados instrumentos como recursos audiovisuais, destacando a fotografia, entrevistas e a observação participante que irá articular as perguntas ao nosso objetivo central e ao grupo social que nos propomos a pesquisar, juventudes quilombolas de Mato Grosso. Esse estudo pretende contribuir ofertando pesquisa e sistematização de conhecimentos sobre práticas culturais por meio das narrativas de suas histórias, elaboração de projetos de vida e de suas práticas culturais que revelam como a juventude se situa nesse processo de reconhecimento, envolvimentos tão importantes na transmissão de práticas culturais das personalidades/autoridades locais aos descendentes jovens que a continuidade de saberes, práticas e tradições quilombolas, bem como refletir na necessária avaliação de Políticas Públicas para comunidades e jovens quilombolas do país.


Palavras-chave


Juventude quilombola; Modos de viver; Educação e Trabalho.