Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A participação da mulher indígena no movimento de resistência indígena em Mato Grosso
Elizabeth Leite de Oliveira Teodoro

Última alteração: 13-10-18

Resumo


As mulheres indígenas sempre tiveram importante participação em suas próprias comunidades, reforçando a igualdade, a autonomia e a complementaridade na relação com os homens, produzindo assim sociabilidades indígenas diversas segundo suas culturas e diferentes etnias. Esta pesquisa tem o objetivo de analisar a participação social e política da mulher indígena no movimento de resistência indígena em Mato Grosso. Este estudo é exploratório, de abordagem qualitativa, com construção prévia de questionário para realização de entrevista com mulheres que exercem algum tipo de liderança, dentro e fora de suas aldeias, tais como caciques, pajés, presidentes de associações, professoras, dentre outras. As lideranças a serem entrevistadas fazem parte das seguintes Terras Indígenas: Escondido, São Domingos, Apiaká-Kaiabi, Umutina e Complexo Xingu. A escolha dessas T.I’s se deu pelo fato de possuírem organizações indígenas femininas, permitindo a obtenção de informações sobre a participação das mesmas nos espaços coletivos de decisões. Esta pesquisa encontra-se em andamento, com a construção da primeira seção e encaminhamentos de documentos à Fundação Nacional do Índio (FUNAI), Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso (CEP/UFMT) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), para autorização de entrada em Terras Indígenas, autorização para realização de pesquisa com seres humanos e Parecer de Mérito Científico, respectivamente.

 


Palavras-chave


movimento indígena; participação; Estado

Referências


BITTENCOURT, Libertad Borges. O movimento indígena organizado na América Latina – A luta para superar a exclusão. Anais Eletrônico do IV Encontro da ANPHLAC, Salvador, 2000, p. 1-18.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE (CEPAL). Os povos indígenas na América Latina: Avanços na última década e desafios pendentes para a garantia de seus direitos. 2012-2013, Santiago/Chile, 2015. p. 123.

 

CENSO DEMOGRÁFICO 2010: Características gerais dos indígenas: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. 2445 p. Acesso em: 10 de abr. 2018, Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/pt/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=795

 

CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). Introdução a uma história indígena. In: História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992.

 

MONAGAS, Angela Célia Sacchi. União, luta, liberdade e resistência: as organizações de mulheres indígenas da Amazônia brasileira. Recife, 2006, 245 f. Tese (Doutorado em Antropologia), Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco.

 

NASCIMENTO, Priscila da Silva. Mulheres zapatistas: poderes e saberes: uma análise das reivindicações das mulheres indígenas mexicanas na luta por seus direitos – anos 1990. Marília, 2012, 187 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista.

 

OLIVEIRA, João Pacheco de. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contra capa, 2016.

 

PAULA, Luís Roberto de. A organização institucional do movimento das mulheres indígenas no Brasil atual: notas para começar a pensar. In: VERDUM, Ricardo (org.) Mulheres indígenas, Direitos e Políticas Públicas. Brasília: INESC, 2008. p. 55 – 64.

 

PIB.SOCIOAMBIENTAL.ORG. Organizações indígenas. Acesso em 21 de jan. 2018. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/Materiais_de_apoio_para_organiza%C3%A7%C3%B5es_ind%C3%ADgenas>

 

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Instituto Socioambiental. Acesso em: 21 de jan. 2018.  Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/c/iniciativas-indigenas/organizacoes-indigenas/lista-de-organizacoes >

 

PREZIA, Benedito. História da resistência indígena: 500 anos de luta. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

 

RAMOS, Alcida R. Convivência interétnica no Brasil. Os índios e a nação brasileira. Brasília: Dep. De Antropologia, série Antropologia n.º221, 1997.

SACCHI, Ângela. Mulheres indígenas e participação política: a discussão de gênero nas organizações de mulheres indígenas. Revista ANTRHOPOLÓGICAS, ano 7, vol. 14 (1 e 2): 95 – 110, 2003.

SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. História de Mato Grosso: Da ancestralidade aos dias atuais. Cuiabá: Entrelinhas, 2002. 272 p.