Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ENTRE SABERES E FAZERES – A CONSTRUÇAO DA IDENTIDADE DA COMUNIDADE QUILOMBOLA MALHADINHA NO LIMIAR DA MODERNIDADE EM TOCANTINS
ARIEL ELIAS DO NASCIMENTO

Última alteração: 18-10-18

Resumo


Pretende-se, com esta pesquisa, estabelecer como se operam e se constituem como discursos contra hegemônicos as narrativas da memória e da identidade de comunidade quilombola existente na cidade de Brejinho de Nazaré, no centro sul do Estado do Tocantins, região norte do país. O problema norteador desta pesquisa está pautado na seguinte premissa: o discurso sobre comunidades quilombolas é hegemônico e homogeneizador, isto significa que, ao homogeneizar, acaba por minimizar a própria identidade e memória como discurso identitário e histórico. Assim, e seguindo esta premissa, levanto os seguintes problemas: onde se encontra o discurso contra hegemônico nesta comunidade/identidade quilombola? Será a oralidade e a memória o arcabouço de resistência contra esta massificação homogeneizante operada pelo sistema capitalista? A Comunidade Quilombola Malhadinha, entendida aqui como estudo de caso, representa este discurso contra hegemônico? Quais os mecanismos presentes nesta comunidade que asseguram e legitimam sua Identidade? Sua cultura sofreu alterações ao longo do processo de evolução do capitalismo? A globalização se apresenta como um fator importante para se pensar as identidades e as culturas na modernidade? Com esta pesquisa de doutorado, pretende-se apresentar que há identidades quilombolas, rompendo com o discurso hegemônico sobre remanescentes de quilombo. A metodologia usada será qualitativa, pautada no estudo de caso da Comunidade Quilombola Malhadinha (Brejinho de Nazaré/TO), com a realização de relatos orais e histórias de vida, análise do discurso, para percebermos como houve a resistência ao discurso hegemônico e, a possível, construção do discurso identitário através da memória do local e seus atores. Há, outrossim, a necessidade de se pensar os seguintes temas: memória, identidades, oralidade, cultura e neocolonialismo.