Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeitos do uso de taninos sobre a produção de gás in vitro de coprodutos da indústria de etanol
Adrielle Torres Mundim, Nelcino Francisco de Paula, Matheus Lima Corrêa Abreu, Janderson Aguiar Rodrigues, Esther Souza Barros de Oliveira, Otávio Henrique Rondon Pinheiro da Silva

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Taninos são aditivos naturais que podem complexar proteínas, íons metálicos e polissacarídeos modificando a fermentação ruminal. Em baixas concentrações podem melhorar a utilização de proteína dos alimentos, pelo aumento na disponibilidade de aminoácidos no intestino delgado. O elevado custo de produção com a alimentação animal é um dos principais fatores para que pesquisas sejam realizadas em busca de alimentos substitutivos que apresentam semelhante valor nutritivo e com menor custo de aquisição. À medida que mais usinas de etanol são construídas, há uma tendência na disponibilidade de coprodutos para alimentação animal. No entanto, existem desafios significativos no conhecimento dos mesmos antes mesmo do fornecimento aos animais. Desta forma, objetivo do estudo foi determinar se a inclusão de taninos aos suplementos de bovinos de corte, doadores de inoculo, modifica a produção de gás in vitro de coprodutos da indústria do etanol. O experimento foi realizado na Fazenda Experimental e no Laboratório de Nutrição Animal da UFMT – Cuiabá em janeiro de 2018. O protocolo experimental foi aprovado pelo Comitê de Ética no uso de animais (nº 23108.207702017-76). Foram utilizados quatro bovinos Nelore, com cânula ruminal, mantidos em pasto de capim Brachiaria cv. Marandu, onde, dois receberam suplemento com taninos e dois receberam suplemento sem tanino. Grãos secos de destilaria (DDG) e grãos úmidos de destilaria do milho (WDG) foram incubados em duplicata com fluido ruminal de cada animal em três incubações sucessivas. A produção de gás in vitro foi mensurada em 6, 12 e 24 horas do inicio de cada incubação. Os efeitos dos taninos sobre a degradação ruminal se devem principalmente ao acesso limitado dos microrganismos aos substratos incubados, a qual retarda o seu crescimento e contribui para mudanças na produção de gás in vitro. Contudo, os inoculos de bovinos suplementados com tanino não afetaram (P>0,05) a produção de gás do DDG e WDG nas 24 horas de incubação. A inclusão de taninos ao suplemento de bovinos de corte em pastejo, doador de inoculo, não altera a produção de gás in vitro de coprodutos da indústria do etanol.

Palavras-chave


DDG, bovinocultura de corte, pastagem, parâmetro cinéticos, WDG

Referências


Barragán, R. J. L.; Martín, Del. C. M.; Carina, M.; Peña, A. I. C.; Robles, O. J. P.; Patricio, S. M. J.; Plasencia, C.; Hernández, G. J.; De Lucas, P. E. R.; Velázquez, W. P. 2008. Utilización de granos secos de destileria con solubles (ddgs) en la alimentación animal. Avances en la investigación científicas enel CUCBA

SCALBERT, A. Antimicrobial properties of tannins. Phytochemistry, 30:3875-3883, 1991.

WAGHORN, G,C.; JONES, W.T.; SHELTO, I.D.; McNabb, W.C. Condensed tannins and the nutritive value of herbage. Proceedings NZ Grassland Association, 51:171-176, 1990.

Mcsweeney, C. S.; Palmer, B.; Mcneill, D. M.; Krause, D. O. 2001. Microbial interactions with tannins: nutritional consequences for ruminants. Animal Feed Science and Technology, 91: 83-93.