Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Modelos hidrotérmicos para germinação de sementes de Stryphnodendron adstringens Mart.
Amanda Ribeiro Correa, Elisangela Clarete Camili, Maria de Fátima Barbosa Coelho

Última alteração: 23-10-18

Resumo


A temperatura e o potencial hídrico são os principais reguladores ambientais da germinação das sementes, dessa maneira, modelos hidrotérmicos podem ser utilizados para descrever padrões de germinação e indução de dormência em muitas espécies. Esses modelos têm como base a temperatura mínima para germinação (Tb); a ótima, na qual a germinação é mais rápida (To); e a máxima, na qual a germinação também não ocorre (Tm). Os índices fornecidos são relevantes para estudar a sobrevivência das sementes frente às mudanças no ambiente. O objetivo será encontrar as temperaturas cardeais, a soma térmica para germinação e vigor de sementes de Stryphnodendron adstringens. Sementes maduras serão submetidas ao teste de germinação nas temperaturas de 10 a 45oC e potenciais hídricos de -2,0 a 0 MPa, em rolos de papel colocados em câmaras de germinação com fotoperíodo de 12 horas de luz. O vigor das plântulas será obtido por medidas dos comprimentos e massas de matéria seca da parte aérea e raiz. Modelos de germinação nas temperaturas sub e supra ótimas serão desenvolvidos por meio da taxa de germinação (Tg), que é o inverso do tempo para a germinação de 50% das sementes (T50). Para isso, serão utilizadas equações de regressão das germinações em função do tempo, plotadas com as temperaturas e potenciais hídricos. Os modelos hidrotérmicos de germinação serão gerados pela otimização probit.

 


Palavras-chave


Fabaceae, barbatimão, temperaturas cardeais, potencial osmótico, dormência

Referências


Baskin, C. C., & Baskin, J. M. (2014). Seeds: ecology, biogeography, and, evolution of dormancy and germination (2nd ed.). San Diego, CA, USA: Academic Press.

Hardegree, S. P. (2006). Predicting germination response to temperature. I. Cardinal-temperature models and subpopulation-specific regression. Annals of Botany97(6), 1115-1125. DOI: 10.1093/aob/mcl071

Mattana, E., Sacande, M., Bradamante, G., Gomez‐Barreiro, P., Sanogo, S., & Ulian, T. (2018). Understanding biological and ecological factors affecting seed germination of the multipurpose tree Anogeissus leiocarpa. Plant Biology, 20(3), 602-609. DOI: 10.1111/plb.12702

Nakagawa, J. Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas (1999). In: Krzyzanowsky, F. C.; Vieira, R. D.; França-Neto, L. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, p. 2.1 – 2.24.

 

Soltani, A., Galeshi, S., Latifi, N., & Zeynali, E. (2001). Genetic variation for and interrelationships among seed vigor traits in wheat from the Caspian Sea coast of Iran. Seed Science Technology., 29(3), 653-662

 

Soltani, E., Baskin, C. C., Baskin, J. M., Soltani, A., Galeshi, S., Ghaderi-far, F., & Zeinali, E. (2016). A quantitative analysis of seed dormancy and germination in the winter annual weed Sinapis arvensis (Brassicaceae). Botany94(4), 289-300. DOI: 10.1139/cjb-2015-0166

 

Tribouillois, H., Dürr, C., Demilly, D., Wagner, M. H., & Justes, E. (2016). Determination of germination response to temperature and water potential for a wide range of cover crop species and related functional groups. PloS one, 11(8). DOI: 10.1371/journal.pone.0161185

 

Trudgill, D. L., Squire, G. R., & Thompson, K. (2000). A thermal time basis for comparing the germination requirements of some British herbaceous plants. The New Phytologist, 145(1), 107-114. DOI: 10.1046/j.1469-8137.2000.00554.x