Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Práticas pedagógicas que envolvem a linguagem escrita na Educação Infantil: um estudo de caso em Primavera do Leste
Gilvane Reinke, MARLON DANTAS TREVISAN

Última alteração: 20-10-18

Resumo


A presente pesquisa está vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação do Câmpus Universitário de Rondonópolis, Universidade Federal de Mato Grosso (PPGEdu/CUR/UFMT), na linha de pesquisa “Linguagens, Cultura e Construção do Conhecimento: perspectivas histórica e contemporânea”, apresentando os resultados de uma investigação que teve como objetivo principal analisar as práticas pedagógicas com a linguagem escrita, impactadas pela utilização do sistema apostilado de ensino, nas rotinas com turmas de 5 anos da Educação Infantil. Como objetivos específicos, pretende-se analisar como a linguagem escrita é apresentada às crianças, com a adoção de apostilas; observar como as atividades de escritas são apresentadas às crianças, nas práticas pedagógicas, sem a utilização de apostilas; analisar se as práticas pedagógicas com a linguagem escrita contemplam diferentes gêneros textuais e/ou experiências e aprendizagens significativas norteadas pelas interações e brincadeiras, de acordo com as orientações das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil; refletir sobre de que maneira a Base Nacional Comum Curricular vem orientando o ensino de linguagem escrita na Educação Infantil. A pesquisa é de abordagem qualitativa, um estudo de caso pautado nos seguintes procedimentos para levantamento de dados: observações de campo, análise documental, entrevista semiestruturada com professoras de 5 turmas, coordenador e diretora, análise das atividades de escrita de uma apostila do Sistema Maxi de Ensino: Coleção Iluminuras, utilizada por crianças de 5 anos em 2008, período em que o material apostilado era utilizado no município de Primavera do Leste. Os sujeitos da pesquisa são 63 crianças de 5 anos, 5 professoras das respectivas turmas, um coordenador pedagógico e uma diretora. Na análise da apostila, observamos como foram apresentadas as atividades com a linguagem escrita; pelas entrevistas semiestruturadas, analisamos as percepções a respeito das práticas pedagógicas com e sem a utilização de apostilas. A análise dos dados foi organizada em cinco categorias vinculadas aos objetivos da pesquisa: observação das práticas conforme a perspectiva dos gêneros textuais; como abordam a perspectiva do letramento; como se relacionam à perspectiva dialógico-discursiva; se estão de acordo com as orientações das DCNEIs / BNCC e se a linguagem escrita dialoga com múltiplas linguagens. Tomamos como referencial teórico os estudos de autores que discutem questões relacionadas às práticas pedagógicas na Educação Infantil, linguagem escrita, letramento, gêneros textuais, diálogo e discurso, currículo, interações e brincadeiras, dentre outras abordagens. Deste modo, espera-se contribuir para o debate sobre a expansão do uso de sistemas apostilados no contexto da Educação Infantil, uma política pública que requer enfrentamentos.


Palavras-chave


Apostilas. Linguagem Escrita. Educação Infantil. Práticas Pedagógicas.

Referências


ANDRÉ, Marli. Pesquisa, formação e prática docente. In: _____. (Org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. Campinas, São Paulo: Papirus, 2001.

ANDRÉ, Marli. E. D. A. Estudo de Caso em Pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

BAKHTIN, Mikhail. Estética na Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto, 1994.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi. ROSA, Ester Calland de Souza (Orgs). Ler e Escrever na Educação Infantil: Discutindo Práticas Pedagógicas. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil. Parecer 20/09 e Resolução 05/09. Brasília, MEC, 2009.

CARDOSO, Bruna. Práticas de Linguagem Oral e Escrita na educação Infantil. 1. ed. São Paulo: Anzol, 2012.

FERREIRO, Emília & TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GOMES, Marineide de Oliveira. Formação de Professores na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

KRAMER, Sônia. O papel da Educação Infantil na formação do leitor. Trabalho encomendado pelo MEC/SEB. Diretoria de concepções e orientações curriculares da Educação Básica, 2005.

LUDKE, Menga. ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, G. A. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MINAYO, M.C.S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, Zilma R. Moraes. Educação Infantil: Fundamentos e métodos. São Paulo; ed. Cortez, 2002.

OSTETTO, Luciana Esmeralda; LEITE, Maria Isabel. Arte, Infância e Formação de Professores. 7 ed. São Paulo, Papiros, 2012.

SALGADO, Raquel Gonçalves. ROCHA, Simone Albuquerque da (orgs.). Educação Infantil: A Criança e as Linguagens na/da Infância. Cuiabá; ed. UFMT, 2011.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento na Educação Infantil. Belo Horizonte, Pátio – Educação Infantil, Ano VIII, 2010.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação – o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.