Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A viagem dos objetos
Jose Franco Arispe, Ludmila Brandão

Última alteração: 15-10-18

Resumo


Determinar o que é arte parece não ser mais um problema em nosso mundo contemporâneo, porque tudo pode ser denominado arte. No entanto, a arte, como a compreendemos, foi concebida desde um sistema hierarquizado, desenvolvido por uma visão eurocêntrica iniciada nos começos da era moderna, onde as expressões alheias às não europeias –  que estão fora desse centro –  são catalogadas indiretamente como uma arte subordinada. Como legitimar os objetos fora desse sistema? Essa e outras questões serão tratadas através de um estudo de caso, da análise de um processo que resultou na exposição SIN SECCION, sob nossa curadoria, apresentada no Museo Nacional de Arte, em La Paz – Bolívia, na qual levamos objetos talhados em pedra, feitos na Prisão de San Pedro até o museu e os batizamos  como obras da arte. A descrição detalhada desse projeto é importante para identificar os principais momentos desde o sistema da arte e suas operações.   Esse projeto, como foi uma proposta curatorial, focaliza a análise da etimologia da palavra Curadoria e assim  faz uma diferença entre um tipo de olhar mais cuidadoso e o oficio do curador. Também aborda a discussão da colonialidade dos sentidos e a formação de subjetividades através da viagem singular dos pequenos objetos produzidos na prisão desde um dos lugares mais periféricos da sociedade até um templo da arte na Bolívia, onde os conceitos da arte contemporânea euro-centristas estão em constante colisão com a cultura popular boliviana e outras expressões que ignoram o sistema da arte, e que não se preocupam e nem se candidatam a um estatuto da arte ocidental.  A partir desse estudo de caso somos levados à reflexões conceituais sobre a arte decolonial, a pós-produção da arte e a classificação dos objetos.


Palavras-chave


arte decolonial – objetos – periferia – curadoria – sentido.