Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
APLICAÇÃO DO MODELO DE QUALIDADE DA ÁGUA QUAL2E PARA ANÁLISE DE CENÁRIOS DE RISCO ECOLÓGICO E AUTODEPURAÇÃO NA SUB-BACIA DO RIO VERMELHO – MT
Bianca Harumi Yamaguti Garcia, Domingos Sávio Barbosa

Última alteração: 06-11-18

Resumo


Para a gestão de recursos hídricos no Brasil, feito através do monitoramento de bacias hidrográficas,  são selecionadas variáveis físicas e químicas que analisam a qualidade de água, e que possuem relação direta com alterações ocorridas na bacia, como a i) variedade de padrões de escoamento, que consideram dados como profundidade e área superficial; ii) as condições hidráulicas do efluente, que analisa descargas a partir de comportas múltiplas ou únicas e sua velocidade; e das iii) características de qualidade, que tem por efeito a temperatura, concentração de substância e o conteúdo sólido total. Diante da presença de tantos fatores, diversas agências de controle ambiental investem em ações que monitoram os parâmetros de qualidade de água, acompanhando a evolução através de variáveis como tempo e espaço. Nesse sentido, para uma gestão hídrica eficiente, a utilização de um modelo matemático diagnostica esses parâmetros, prevê futuros impactos, favorecendo a gestão dos recursos hídricos. O modelo matemático escolhido foi o QUAL2E, desenvolvido pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (USEPA). Esse modelo, unidimensional de regime permanente, é capaz de pontuar descargas pontuais e difusas de resíduos de poluentes, e comtempla até 15 constituintes hídricas, como temperatura, amônia, nitrito, entre outros. Considerando o potencial efeito da combinação desses fatores, a pesquisa a seguir analisa a influência destes fenômenos na Sub-Bacia Hidrográfica do Rio Vermelho, localizado na Bacia do Alto Paraguai, dentro da Sub-bacia do Rio São Lourenço, tendo como seu principal afluente o Rio Vermelho. Como metodologia, se utilizará o modelo matemático de qualidade de água QUAL2E voltado à sub-bacia, possibilitando a calibração e determinação dos coeficientes de autodepuração como o coeficiente de desoxigenação, o coeficiente de reaeração e consumo de oxigênio, obtidos com o auxílio de dados como oxigênio dissolvido (OD) e demanda bioquímica de oxigênio (DBO).  Como resultados, se tem a expectativa de que os lançamentos de efluentes devem respeitar os padrões de emissão estabelecidos pela Resolução nº 357/05 do CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente), e a demonstração do potencial do Sistema QUAL2E, com suas vantagens e limitações, propondo medidas corretivas em áreas onde os padrões desejados não forem atingidos.


Palavras-chave


Gestão de recursos hídricos; Qual2E; Autodepuração

Referências


CUNHA, A. C; BÁRBARA, V. F; SIQUEIRA, E. Q; CUNHA, H. F. A; BRITO, D. C. Aplicação do modelo de qualidade da água QUAL2E para análise de cenários ambientais e autodepuração no Médio Rio Araguari - AP. Programa Primeiros Projetos/Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia - Macapá, 2010.

SILVA, E. F. L. P. S; PIRES, J. S. R. P; HARDT, E; SANTOS, J. E; FERREIRA, W. A. Avaliação da qualidade da água em microbacias hidrográficas de uma Unidade de Conservação do Nordeste do estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 371-381, jul./set. 2011.

SOUZA, A. V. V. Influência dos usos e ocupação do solo na qualidade da água do Rio Vermelho no sudeste de Mato Grosso. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso. 2015.