Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Potencial de Rochagem dos Basaltos Alcalinos da Formação Paredão Grande, Mato Grosso
Luan Nonato Figueiredo, Francisco Egídio Cavalcante Pinho

Última alteração: 26-10-18

Resumo


O estado do Mato Grosso é um grande produtor agrícola e consequentemente dependente do uso de fertilizantes e aditivos (condicionadores e corretivos) de solo, que na sua quase totalidade são produtos de origem mineral.

A fim de reduzir custos sem afetar a produção alguns agricultores estão recorrendo a fontes alternativas para o fornecimento de nutrientes. A aplicação de rochas em forma de pó no solo é conhecida como rochagem ou “rocks for crops”, técnica onde o emprego de rochas moídas visa recompor a fração de minerais intemperizáveis atuando como os minerais primários e secundários de um solo pouco intemperizado.

No presente trabalho, será avaliado o potencial dos basaltos alcalinos da Formação Paredão Grande para utilização em rochagem, através de estudo de incubação do mesmo em latossolo. A metodologia aplicada apresenta três focos: caracterização do pó de rocha; análise do solo; e análise e comparação da incubação do solo com pó de rocha e incubação do solo com carbonato de cálcio p.a. (para análise, por não haver contaminação de outros elementos) sendo discutidos aspectos como mineralogia, composição geoquímica, pH e CTC.

O dique estudado tem aproximadamente dimensões de 3.000 metros de comprimento e 500 metros de largura, tendo apenas uma frente de lavra. O corpo situa-se a 16,7 km à Leste do distrito de Paredão Grande, município de General Carneiro-MT; comporta-se como alto topográfico com altitude variando entre 530 a 590 metros em relação ao nível do mar. Ocorre alinhado segundo a direção aproximada NEE/SWW, em conjunto com outro dique próximo a margem Sul da BR-070.

O estudo das amostras em escala microscópica permitiu a distinção de duas variações faciológicas com base na diferença de granulação e textura da matriz: Basalto Afanítico Microcristalino (BAM) e Basalto Afanítico Críptocristalino a Vítreo (BACV).

Foram analisadas 18 amostras do dique da Formação Paredão Grande. As análises químicas revelam uma composição intermediária, com teores de sílica entre 53,09 e 61,26%. O diagrama de classificação TAS indica uma dominância basalto traquiandesito e traquiandesito, e em menor proporção basalto andesito e andesito. Em relação ao teor de K₂O-SiO₂, o diagrama revela uma tendência alcalina com enriquecimento em potássio.

O dique estudado no presente trabalho tem média de: CaO 4,84%, MgO 2,08%, K₂O 2,83 e soma de bases 9,77%, contemplando as especificações do MAPA. Em relação aos elementos potencialmente tóxicos, o dique estudado se enquadra nas especificações (tabela 6), com a média em ppm de: As 1,33; Cd 0,076; Hg <0,01 e Pb 5,25.

Em relação a textura do basalto, é provável que a fácies BACV solubilize em maior proporção devido sua matriz ser mais fina em relação a fácies BAM. Os minerais menos estáveis por hidrólise devem disponibilizar elementos mais rapidamente para o solo.

A Formação Paredão Grande tem potencial para servir como fonte de remineralizador de solo, estando de acordo com os parâmetros exigidos pelo MAPA. Sua área de abrangência é próxima de áreas agrícolas, e eventualmente facilitaria a logística e diminuiria os custos de exploração para essa finalidade.


 



Palavras-chave


geologia; rochagem; solo

Referências


Almeida, E.; Silva, F.J.P.S. Transição Agroecológica De Sistemas Produtivos Familiares No Sul Do Paraná E Planalto Norte Catarinense – O Relato da Experiência Com o Pó de Basalto. In: I Congresso Brasileiro de Rochagem, 2009, Brasília. Anais I Congresso Brasileiro de Rochagem. Brasília: Fundação Sonia Ivar, 2009. v.1. p.167-181.

Amaparo, A. Farinha de rocha e biomassa. Revista Agroecologia Hoje, 20:11, 2003.

Van Straaten, P. Agrogeology – the use of rocks for crops. Enviroquest, Cambridge, Canadá, 440p. 2007.

Weska, R.K. Geologia da região diamantífera de Poxoréu e áreas adjacentes, Mato Grosso. São Paulo, 1996. 219 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.