Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Dimensão pedagógica do cinema negro: O ibero-ásio-afro-amerídio e sua autoimagem.
Everaldo Silva Silva Santos

Última alteração: 17-10-18

Resumo


A dominação euro-colonial teve como base de sustentação política, social e psicológica, uma discriminação negativa de imagem, que foi difundida historicamente no Brasil, permeando as relações sociorraciais, e suas instituições. Isto caracterizou o objetivo de subjugar da classe dominante, onde as atribuições negativas de valores são impostas e atreladas como referência ao grupo “inferiorizado”. Este fenômeno foi percebido nos processos: políticos, sociais, culturais, que vão impactar no cinema brasileiro. O cinema negro foi visto como um movimento contra-hegemônico, isto é: alternativo ao estabelecido, na sua dimensão pedagógica, se mostra com o objetivo de oferecer uma afirmação positiva de imagem, do Íbero-asio-afro-amerindio, grupo historicamente segregado por se distanciarem dos padrões normativos eurocêntricos, e não se enquadrarem na imagem representativa do Euro-etero-macho-autoritário, compreendendo que os valores que permeiam o cinema são assimilados e referendados pela cultura, como sintomas de prestigio ou desprestigio social, estes também servem como lócus de avaliação externa, para sujeitos que se constroem na discrepância ou semelhança dos modelos que lhes são dados.  Este trabalho tem por objetivo pesquisar e registrar bibliograficamente aspectos da dimensão pedagógica do cinema negro, que contribuem para a construção de uma autoimagem. Levando em conta seus atributos epistêmicos, intencionamos percorrer os caminhos que estabelece os valores simbólicos dados pelo cinema negro e servem como referências: culturais, políticos e sociais, e assim visualizar os elementos que interagem e torna possível sujeitos históricos, protagonistas de uma forma de existência que desafia a supremacia euro-colonialista, e que mesmo se estabelecendo como contradição rompe com um imaginário imagético que não lhe é original. Compreender e promover este processo existente no cinema negro que leva o sujeito a uma autonomia é um dos elementos que lhe inclui nos interesses das ciências da educação, por almejamos uma liberdade inclusiva e que promove a democratização do conhecimento. Assim sendo, mediante as perspectivas de produções teóricas consagradas sobre o tema proposto, revela-se a intenção de concretizar sua relevância cientifica com uma análise de natureza qualitativa, de pesquisa bibliográfica. Com a mediação interpretativa da hermenêutica, refletiremos sobre as possibilidades de produção de uma autoimagem.

 

 

Palavras-chave: Autoimagem. Cinema Negro.

Palavras-chave


Autoimagem. Cinema Negro.