Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
TESSITURA AUTOBIOGRÁFICA DE UMA MULHER-MÃE-PROFESSORA DE UMA CRIANÇA COM AUTISMO
Simone de Paula Rocha Souza

Última alteração: 20-10-18

Resumo


O objetivo desta pesquisa, em andamento, é trazer as narrativas de minhas experiências como mulher, professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e mãe de uma criança com autismo. Discuto e problematizo sobre os silenciamentos da Mulher-Mãe-Professora, sobre a criança com autismo e como esta se constitui e se expressa por meio do brincar em uma sociedade normatizada. Para falar dos distintos lugares que essas vozes ocupam e de onde ecoam: lugar de mãe e aprendiz de uma criança com autismo; desafio de ser professora do AEE; lugar de constituição de mulher em todos esses atravessamentos humanos. Tais narrativas se fundamentam na metodologia autobiográfica à luz de Passeggi; Abrahão; Josso; Souza; Bolívar; Abrahão e Delory-Momberger. A questão central da pesquisa se expressa da seguinte forma: como se dá a constituição da mulher-mãe-professora da criança com deficiência em espaços sociais escolares e não escolares? O referencial teórico está pautado na fenomenologia de Merleau-Ponty; Bachelard; Ferreira-Santos e Almeida. Para discutir a inclusão, especialmente a escolar busco as contribuições de Mantoan, Skliar e Orrú. De modo parcial, conclui-se que a criança com autismo também brinca, se expressa através do corpo e usa diferentes formas de linguagem para se manifestar, constituindo-se, portanto, um desafio lançar-se a compreender/interpretar essas outras linguagens tanto como professora e como mãe. Minha contribuição à pesquisa em educação, sob a forma de narrativa autobiográfica, possibilitará um (re)configurar da Mulher-Mãe-Professora que sou, mas também um olhar para as diferenças do humano ao fazer emergir muitas vozes que no calabouço da invisibilidade tentam vencer as barreiras da exclusão.

Palavras-chave: Autobiografia. Inclusão. Autismo. Brincar

Palavras-chave


Autobiografia. Inclusão. Autismo. Brincar.

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM 5. Trad. Maria Inês Correa Nascimento et al.; revisão técnica Aristides Volpato Cordiolo. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2014.

ARIÉS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Contribuição para uma psicanálise do conhecimento; tradução Esteia dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BERNARDES, R. K. Narrativas estéticas na docência: em nós – mãos. In: MONTEIRO, F. A. NACARATO, A. M. FONTOURA, H. A. (Org.). Narrativas docentes, memórias e formação. Curitiba: CRV, 2016.

BARROS, M. Tratado geral das grandezas do ínfimo. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

BARROS, M. O guardador de águas. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

BARROS, M. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. (trad. Sérgio Milliet). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BOJUNGA, L. N. A bolsa amarela. Rio de Janeiro: Agir, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p

BRASIL. Decreto nº 6.571, de 18 de setembro de 2008, institui as Diretrizes Operacionais da Educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado – AEE na educação básica. MEC/SECADI. Brasília, 2008. Disponível em:  http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=428-diretrizes-publicacao&Itemid=30192 Acesso em: 29 mai. 2018.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009, promulga a convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília, 2009. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6949. htm>. Acesso em: 09 abr. 2018.

BRASIL, Protocolo Facultativo, setembro de 2007. Cartilha da Convenção direito da criança com deficiência. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/index.php Acesso em:Jul. 2017.

BUITONI, D. S. De volta ao quintal mágico: a educação infantil na Te-Arte. São Paulo: Ágora, 2006.

BUTLER, J. Trad. Rogério Bettoni. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. 1. ed. 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

COLLING, A. M.; TEDESCHI, L. A. Dicionário crítico de gênero. Dourados: UFGD, 2015.

DELORY-MOMBERGER. C. Biografia e Educação: figuras do indivíduo-projeto. 2. ed. Natal: EDUFRN, 2014.

FERREIRA-SANTOS, M. Crepusculário. São Paulo: Zouk, 2004.

FERREIRA-SANTOS, M.; ALMEIDA, R. de. Antropolíticas da Educação. São Paulo: Képos, 2014.

FERREIRA-SANTOS, M.; ALMEIDA, R. Aproximações ao imaginário: bússola de investigação poética. São Paulo: Képos, 2012.

FERREIRA-SANTOS, M. Experimentação pelas creanças: a brincagogia sensível. São Paulo: Sidarta, 2008. Projeto Aqui se Brinca. Disponível em: <http://www.marculus. Net>. Acessado em: julho de 2017.

FERREIRA-SANTOS, M. Outros tempos e espaços de saber compartilhado: coisas ancestrais de creança. In: Processos Artísticos, tempos e espaços. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra: 1987.

FRIEDMANN, A. O olhar antropológico por dentro da infância: adentrando nas casinhas das crianças. MEIRELLES, R. (Org.). Território do brincar: diálogo com as escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015.Coleção território do brincar.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF). Situação mundial da Infância: crianças com deficiência. Unicef, 2013. Disponível em: www.unicef.org/brazil/pt/PT_SOWC2013.pdf. Acesso em 15 jul. 2018.

GINZBURG. C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letas, 1989.

GRANDIN, T. Uma menina estranha: autobiografia de uma autista. Temple Grandin, Margaret M. Scariano. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

JENKS, C. Constituindo a criança. Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n. 17, p.185-216, 2002.

JOSSO, M. C. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

JOSSO, M. C. Fecundação mútua de metodologias e de saberes em pesquisa-formação experiencial. Observações fenomenológicas de figuras do acompanhamento e novas conceituações. In: ABRAHÃO, M. H. M. B; PASSEGGI, M. C. (Org.) Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica. Tomo I. Porto Alegre: EDIPUCRS; Natal: EDUFRN; Salvador: UDUNEB, 2012.

LAKE, A. Prólogo. In: UNICEF. Situação mundial da Infância: crianças com deficiência. Unicef, 2013. Disponível em: www.unicef.org/brazil/pt/PT_SOWC2013.pdf. Acesso em 15 jul. 2018.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira da Educação. nº. 19, Jan/Fev/Mar/Abr. Rio de Janeiro: ANPED, 2002.

LE BRETON, D. Antropologia do corpo e modernidade. Tradução de Fábio dos Santos Creder Lopes. 3. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

LISPECTOR, C. A mulher que matava os peixes. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U. 2013.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer. São Paulo:  Moderna, 2003. (Coleção cotidiano escolar).

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar – caminhos e descaminhos, desafios, perspectivas. Ensaios pedagógicos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

MATURANA, H. R.; VERDEN-ZOLLER, G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo: Palas Athena, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, M. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

MERLEAU-PONTY, M. O olho e o espírito. 7. ed. Lisboa: Veja, 2009.

PASSEGGI, M. da C.; ABRAHÃO, M. H. M. B.; DELORY-MOMBERGER, C. Reabrir o passado, inventar o devir: a inenarrável condição biográfica do ser. In: Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica: Tomo II /Organização: Maria da Conceição Passeggi, Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. Coleção Pesquisa (Auto)Biográfica: temas transversais.

ORRÚ, S. E. Aprendizes com autismo: aprendizagem por eixos de interesse em espaços não excludentes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

PIORSKI, G. Brinquedos do chão. São Paulo: Petrópolis, 2016.

QUINTANA, M. Baú de espantos. São Paulo: Globo, 2006.

RICOUER, P. Memória, história e esquecimento. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/lif/publicacoes/textos_disponiveis_online/pdf/memoria_historia. Acesso em: maio de 2018.

ROSA, J. G. Estas estórias. 3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ROSEMBERG, F.; MARIANO, C. L. S. A Convenção Internacional sobre os direitos da Criança: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n.141, set. /dez. 2010.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul-dez, 1995.

SKLIAR, C. A invenção e a exclusão da alteridade "deficiente" a partir dos significados da normalidade. Revista Educação e Realidade. Dez. 1999.

SOUZA, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tomaz Tadeu da Silva (org.) Stuart Hall, Kathryn Woodward. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

 

WILLMS, E. E. Escrevivendo: uma fenomenologia rosiana do brincar. Tese                  (Doutorado – Programa de Pós -Graduação em Educação. Área de Concentração: Cultura, Organização e Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo), 2013.

WILLMS, E. E.; ALMEIDA, R.; FERREIRA-SANTOS, M. A pesquisa como jornada interpretativa: uma leitura metafórica do filme “a lenda do pianista do mar”. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/quipus/article/download/700/486. Acesso em: maio de 2018.

VEIGA-NETO, A. Incluir para saber. Saber para excluir. Pro-posições, v. 12, n. 2-3 (35-36). jul.-nov. 2001.