Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS NO CÓRREGO CANIVETE E A PERCEPÇÃO DOS MORADORES ADJACENTES
EDUARDO ALVES SOARES

Última alteração: 31-10-18

Resumo


RESUMO

A inquietação a respeito das transformações dos canais fluviais no espaço urbano, local de conflitos socioambientais de difíceis soluções e nem sempre do interesse dos gestores públicos foi o impulso inicial para o desenvolvimento dessa pesquisa. O objetivo do estudo é compreender como a percepção dos moradores das proximidades do Córrego Canivete foi se modificando a partir do crescente incremento da produção do espaço urbano. Possui como variáveis de análise o crescimento demográfico, a especulação imobiliária e a segregação sócio espacial como fatores que condicionaram a ocupação da área próxima ao Córrego Canivete. Pesquisar tal assunto é importante para compreender a relação que existe do morador adjacente ao córrego para com o mesmo e assim, conhecer o seu entendimento sobre os cursos d’água no meio urbano, da contemplação do natural à uma valoração do espaço vivido. A pesquisa tem caráter tem como eixo teórico normativo a tríade de Lefebvre – espaço percebido, concebido e vivido, caracterizando as diversas dinâmicas do processo de transformação do espaço contido ao  longo do curso d’água, sobretudo da micro bacia. Foram produzidos mapas temáticos pelo Sistema de Informação Geográfico (SIG) compreendendo a delimitação do plano amostral para aplicação das entrevistas com os moradores, bem como a localização dos bairros que estão contidos na bacia do córrego, utilizando-se para tanto de imagens LANDSAT5 e,  trazendo ainda a evolução temporal da ocupação do espaço em intervalos a cada 10 anos, a partir de 1984, com o emprego do Google Earth Pro. Também como parte dos procedimentos metodológicos realizados houve a aplicação de questionários junto aos moradores lindeiros ao córrego. O resultado da pesquisa aponta a intensificação da ocupação na bacia do Córrego Canivete, sobretudo na Área de Preservação Permanente e sua proximidade, o que desencadeou ações de retirada da vegetação, mudança da qualidade da água do córrego, afastamento de espécies animais, alteração de forma definitiva de parte da paisagem onde infraestruturas urbanas foram se instalando na micro bacia, o que estimulou os moradores a projetar benefícios sociais, como a canalização e, principalmente, uma valoração da área próxima ao córrego após a obra de retificação ser finalizada. Portanto, trabalhar os problemas ocorridos no Córrego Canivete e as ações geradas no decorrer do tempo pelos moradores e pela ausência de ações efetivas do poder público, contribuiu para compreensão da relação homem e natureza, notadamente da transformação da primeira para a segunda natureza,  quando os interesses dos moradores pelas condições básicas de sobrevivência (moradia), de limpeza urbana (descarte de lixo nas proximidades do córrego), se convertem na lógica de valorização do imóvel em que reside (o espaço vivido e concebido).

Palavras – chave: Problemas socioambientais, espaço vivido, espaço concebido.


Palavras-chave


Problemas socioambientais, espaço vivido, espaço concebido.

Referências


LEFEBVRE, Henri. O Direito Á Cidade. Tradução de Rubens Frias. Primeira Edição, Editora Moraes, São Paulo. 1991.

CORRÊA, R. L. IN: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L. de.; SPOSITO, M. E. B. (Org.)  A Produção do Espaço Urbano: Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2013. p.41-51.

LACOSTE, Yves. Geografia do Subdesenvolvimento: geopolítica de uma crise. 7. ed. São Paulo: Difel, 1985.