Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Negra Lésbica: na ginga de uma identidade negra
graziely dos reis lemes

Última alteração: 20-10-18

Resumo


Esta pesquisa de mestrado em andamento realizada junto ao Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (PPGEdu) e financiada pela Capes  aborda as tensões na construção da identidade negra interseccionalizando com questões de gênero e sexualidade a partir do lugar de mulher marginal, que carrega no corpo do texto e da autora marcadores de subalternidade colonial aqui apresentados como uma tentativa de transgressão da norma tradicionalmente racista, lesbofóbica e machista que produz performatividades unilaterais em vista da localização política do poder, assim como assumir o protagonismo lésbico e negro no que diz respeito à produção de discurso e construção de realidade sobre o corpo em análise. As reflexões conferidas no presente trabalho revelam facetas da estrutura de dominação colonial e sua cumulativa e interseccional violência sobre os corpos outrificados e desumanizados ao passo que ensaia estratégias de enfrentamento e possibilidades de ressignificação e cura identitária possibilitada pela imersão no espelho respaldado pela teoria de mulheres lésbicas, negras e feministas. A proposta se insere no campo da autoetnografia e se consolida a partir da reflexibilidade do cotidiano de escrita identitário da autora que, narcisicamente, entrecruza-se com a teoria das feministas negras e lésbicas Audre Lorde, bell hooks e Glória Anzaldúa. Permito-me então questionar de onde partem os discursos que se levantam sobre o meu corpo? O que eles pretendem? A quem eles servem? Como o meu corpo é atravessado por esses discursos? Onde ele se insere na escala de poder?



Palavras-chave


Interseccionalidade; Lugar de Fala; Racialidade; Sexualidade

Referências


ANZALDÚA, Gloria et al. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

BICUDO, Virgínia Leone. Atitudes raciais de pretos e mulatos em São Paulo. Edição organizada por Marcos Chor Maio. Editora Sociologia e Política, 2010.

COSTA, Jurandir Freire. Da cor ao corpo: a violência do racismo. Violência e psicanálise, v. 2, 1983.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. Tradução e comentários de Renata. Disponível em:< http://www. geledes. org. br/nao-existe-hierarquia-de-opressao/>. Acesso em: 06 agosto 2018

OLIVEIRA, Leandro Roque de. Boa Esperança. Intérprete: Emicida. Brasil: Warner /Chapell  Music, 2015. Faixa 10.

PEREIRA, Amauri Mendes. O TAO da Teoria Social frente à questão racial no Brasil. In: PEREIRA, Amauri Mendes. Para além do racismo e do antirracismo: a produção de uma Cultura de Consciência Negra na sociedade brasileira. Itajaí: Casa Aberta Editora, 2013. p. 151-262.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Letramento Editora e Livraria LTDA, 2018.

SIMAKAWA, Viviane Vergueiro. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação (Mestrado Multidisciplinar de PósGraduação em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador, 2016.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, v. 19, 1983.

SPIVAK, G. C. ¿Puede hablar el sujeto subalterno? Orbis Tertius, n. 6, p. 175 – 235, 1998. Tradução de José Amícola.