Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ESTRATÉGIA DE ADUBAÇÃO PARA BIOFORTIFICAÇÃO AGRONÔMICA COM ZINCO EM ARROZ DE TERRAS ALTAS
Maria Eliza Pereira Batista, Milton Ferreira de Moraes, Larissa Venucia Freitag Varjão Alves

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Maior parte da população mundial apresenta deficiência de Zinco (Zn) no organismo, devido a ingestão de alimentos com baixa qualidade nutricional. A biofortificação agronômica é utilizada para aumentar o teor desse e outros nutriente nos alimentos, principalmente através da utilização de fertilizantes. Como o arroz é um dos principais cereais produzidos no mundo e desempenha papel estratégico tanto no aspecto econômico quanto social ele é uma das culturas alvos para estudos dos programas de biofortificação. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar se o acúmulo de Zn nos grãos está relacionado a forma de adubação. O estudo foi realizado na safra 2017/ 2018 à campo, em área cedida pela Empaer em Sinop – MT e em área cedida pela Embrapa Arroz e Feijão em Santo Ântonio de Goiás – GO. Cada ambiente correspondeu a um experimento, cujo delineamento experimental foi blocos completos casualizados, no esquema fatorial 4 x 2 (local de aplicação x cultivares), com 4 repetições, totalizando 32 parcelas em cada local. As cultivares foram escolhidas sendo uma convencional (BRS Sertaneja) e uma com potencial para biofortificação (BRS Esmeralda), ambas com ciclo precoce. Os tratamentos consistiram em: (i) sem aplicação de Zn (controle) + BRS Sertaneja; (ii) aplicação de Zn no solo (Zn-S) + BRS Sertaneja; (iii) aplicação de Zn na folha (Zn-F) + BRS Sertaneja e (iv) aplicação de Zn no solo e na folha (Zn-S+F) + BRS Sertaneja, (v) sem aplicação de Zn (controle) + BRS Esmeralda; (vi) aplicação de Zn no solo (Zn-S) + BRS Esmeralda; (vii) aplicação de Zn na folha (Zn-F) + BRS Esmeralda; (viii) aplicação de Zn no solo e na folha (Zn-S+F) + BRS Esmeralda. A aplicação de Zn no solo foi realizada no momento do plantio, utilizando uma solução de sulfato de zinco hepta-hidratado (ZnSO4.7H2O), correspondendo a uma dose de 10 kg ha-1 de Zn. Para aplicação de Zn na folha utilizou-se a mesma fonte de Zn, correspondendo a 4 kg ha-1 de Zn, a aplicação foi realizada no estádio de desenvolvimento da planta que correspondia ao enchimento de grãos. A variável analisada foi o teor de Zn nos grãos. Para a determinação dos macronutrientes e micronutrientes (fora o N) fez-se a digestão nitro-perclórica e posterior quantificação em ICP-OES. Para a determinação do N-total fez-se a digestão sulfúrica, com posterior quantificação pelo método analítico Kjeldahl. A análise de variância e o teste de médias foram feitos através do Software Sisvar®. Não houve diferenças significativas entre os tratamentos e os locais ao nível de 5 % de probabilidade. Em ambos locais a cultivar BRS Esmeralda se destacou quanto o acúmulo de Zn nos grãos, apresentando valores médios por tratamento de até 30 mg kg-1. E os locais de aplicação que apresentaram maior acúmulo de Zn nos grãos foram os que conciliaram as aplicações de Zn no solo com aplicações de Zn na folha, porém os valores dos tratamentos que aplicaram Zn apenas na folha são bem próximos, apesar de inferiores.

Palavras-chave


HarvestPlus; HarvestZinc; Biofort; Oryza sativa; fome oculta