Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS PARA ESCOLHA DO TAMANHO DE AMOSTRA IDEAL PARA ENSAIO DE RESISTÊNCIA DO SOLO A PENETRAÇÃO EM BANCADA
GIORDANI HENRIQUE FERREIRA DA CRUZ, ALOISIO BIANCHINI

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Este trabalho tem como objetivo determinar o tamanho adequado de amostras de solo em função do tamanho do cone para ensaios de Resistência do Solo à Penetração (RSP) em bancada. O experimento está sendo conduzido nas instalações da Faculdade de Agronomia e Zootecnia (FAAZ) – UFMT. O delineamento experimental adotado é inteiramente casualizado em esquema fatorial 3 x 3 x 2, sendo 3 diâmetros de cone (3,75 mm, 6,55 mm, 8,15 mm) e 3 diâmetros do anel volumétrico (50 mm, 100 mm e 150 mm) (corpo de prova), e ensaio de penetrometria em corpos de prova confinados e não confinados e 15 repetições. Os corpos de prova foram preparados em ambiente protegido (casa de vegetação) passando por processo de cura, com 54 ciclos de secagem e umedecimento (6 meses). Foi obtida a densidade em que se encontrava o solo a campo, a fim de poder reproduzir a mesma densidade em Laboratório. Desse modo foi calculado o volume de massa seca de solo para cada tamanho de anel. Todos os anéis foram confeccionados com 12 cm de altura, sendo que 10 cm são ocupados pelo solo. Os tubos (PVC) destinados à produção de corpos de prova não confinados foram abertos no sentido longitudinal para permitir a sua retirada, no momento do ensaio, sem danificar a estrutura. Os ensaios de RSP estão sendo conduzidos no Laboratório de Máquinas Agrícolas e Motores (LAMAM). Os dados obtidos serão submetidos a análise de variância, sendo avaliados pelo pacote estatístico Sisvar. A resistência apresentou as seguintes médias: para corpo de prova 50 mm: Com anel, cone 3,75- 1,82 Mpa, cone 6,55- 1,51 Mpa, cone 8,15- 1,29 Mpa; corpo de prova 100 mm: cone 3,75- 1,31 Mpa, cone 6,55 – 0,95 Mpa, cone 8,15 – 0,73 Mpa; Corpo de prova 150 mm: cone 3,75- 1,85 Mpa, cone 6,55- 1,30 Mpa, cone 150- 1,11 Mpa. Sem anel: corpo de prova 50mm: cone 3,75- 0,94 Mpa, cone 6,55- 0,30 Mpa, cone 8,15 – 0,20 Mpa; corpo de prova 100mm: cone 3,75- 1,23 Mpa, cone 6,55- 0,60 Mpa, cone 8,15- 0,44 Mpa; corpo de prova 150mm: cone 3,75- 1,56 Mpa, cone 6,55- 0,93 Mpa, cone 8,15- 0,59 Mpa. Resulta-se que quanto maior o tamanho do cone a resistência decresce em todos os tamanhos de corpo de prova, mas não diminui pelo solo ser mais resistente, e sim por que a medida que se aumenta a área do cone, logo se tem maior área de contato, assim as tensões aumentam. Desse modo o solo não suporta e sofre falhas em sua estrutura. Para todos os tamanhos de amostra e cone, a RSP foi consideravelmente menor quando o ensaio foi realizado sem anel, ou seja, corpo de prova não confinado. Portanto significa dizer que a parede do anel suporta as tensões, ocasionando maior resistência.

 


Palavras-chave


RSP; COMPACTAÇÃO; CORPO DE PROVA

Referências


ARAÚJO, M. A.; TORMENA, C. A.; SILVA, AP da. Propriedades físicas de um Latossolo Vermelho distrófico cultivado e sob mata nativa. Bras. Ci. Solo, v. 28, p. 337-345, 2004.

 

BEUTLER, Amauri N.; CENTURION, José F.; SILVA, Alvaro P. Comparação de penetrômetros na avaliação da compactação de latossolos. Engenharia Agrícola, p. 146-151, 2007.

 

BIANCHINI, Aloísio; ROQUE, Márcio W.; ROSA, Rodrigo P. Development of an automated bench top electronic penetrometer. Engenharia Agrícola, v. 33, n. 6, p. 1191-1199, 2013.

 

BLAINSKI, Éverton et al. Quantificação da degradação física do solo por meio da curva de resistência do solo à penetração. Bras. Ci. Solo, v. 32, p. 975-983, 2008.

 

CARVALHO, Rafael P. et al. Atributos físicos e químicos de um Neossolo Quartizarênico sob diferentes sistemas de uso e manejo. Revista Caatinga, v. 28, n. 1, 2015.

 

DRESCHER, Marta Sandra et al. Resistência à penetração e rendimento da soja após intervenção mecânica em Latossolo Vermelho sob plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, n. 6, 2012.

 

FIDALSKI, Jonez; TORMENA, Cássio A. Funções de pedotransferência para as curvas de retenção de água e de resistência do solo à penetração em sistemas de manejo com plantas de cobertura permanente em citros. Ciência Rural, v. 37, n. 5, 2007.

FIGUEIREDO, Getulio Coutinho et al. Desenvolvimento de um consolidômetro pneumático: modelagem da compactação, penetrometria e resistência tênsil de agregados de solo. Rev. Bras. Ciênc. Solo,  Viçosa,  v. 35, n. 2, p. 389-402,  abr.  2011.

 

FREDDI, Onã da Silva et al. Compactação do solo no crescimento radicular e produtividade da cultura do milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, p. 627-636, 2007.

 

IMHOFF, S. et al. Quantificação de pressões críticas para o crescimento das plantas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 25, n. 1, 2001.

 

IMHOFF, Silvia; DA SILVA, Alvaro Pires; TORMENA, Cassio Antonio. Aplicações da curva de resistência no controle da qualidade física de um solo sob pastagem. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 35, n. 7, p. 1493-1500, 2000.

 

JUNIOR, Daniel Dias Valadão et al. Penetration resistance according to penetration rate, cone base size and different soil conditions. Bragantia, v. 73, n. 2, p. 171-177, 2014.

LIMA, Claudia L. R. et al. Estimativa da capacidade de suporte de carga do solo a partir da avaliação da resistência à penetração. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 30, n. 2, 2006.

 

MIOTO, Liliane Scabora et al. Resistência do solo à penetração das raízes avaliada por dois penetrômetros em uma área cultivada com mandioca. Acta Iguazu, v. 5, n. 1, p. 65-79. 2016.

 

PACHECO, Edson P.; CANTALICE, José R. B. Compressibility, penetration resistance and least limiting water range of a Yellow Ultisol under sugarcane in the Coastal Tablelands of Alagoas State. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 35, n. 2, p. 403-415, 2011.

 

RUIZ, Hugo A. et al. Hydraulic conductivity, porosity, mechanical resistance and least limiting water range in artificially compacted Oxisols. Rev. Bras. de Eng Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 10, p. 1003-1009, 2014.

 

TORMENA, Cassio Antonio; SILVA, AP da; LIBARDI, P. L. Caracterização do intervalo hídrico ótimo de um Latossolo Roxo sob plantio direto. Embrapa Solos-Artigo em periódico indexado (ALICE), 1998.