Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: UMA RELFEXÃO COM COORDENADORES DE ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CÂMPUS DE RONDONÓPOLIS
Rosa Beatriz de Araujo

Última alteração: 20-10-18

Resumo


Diante dos conflitos ambientais da atualidade, a Educação Ambiental, é essencial para prevenção e a solução das crises ambientais, e contribui para a construção de uma sociedade igualitária e sustentável. A educação ambiental é uma educação primordial, que conscientiza os cidadãos a prezarem a sustentabilidade no seu cotidiano e em suas relações profissionais e socioambientais. Problemas ambientais são de fato correlatos aos problemas socais, não tem como desvincular, uma vez que a escassez de recursos naturais e a degradação do meio ambiente comprometem a vida. Pois a questão ambiental afeta a educação, que por sua vez afeta a democracia, gera a desigualdade social, propicia a pobreza, causa problemas sociais diversos, relacionados à falta de saneamento básico e infraestrutura e compromete a saúde e a qualidade de vida das pessoas. Temas como estes se encontram constantemente colocadas como prioridade em questões políticas e sociais, mas ainda tem muito que se discutir para que sejam tomadas medidas e desenvolvidas soluções. Desta forma, as instituições de ensino superior devem preparar os futuros profissionais para a vida profissional bem como para o convívio em sociedade, despertando a consciência socioambiental, investindo em ações de educação ambiental e estratégias sociais que envolvam  a utilização adequada dos seus recursos naturais renováveis e não renováveis. Diante do exposto o objetivo geral é compreender, como os coordenadores de ensino dos cursos de graduação tem entendido a Educação Ambiental, regulamentada pela Lei 9.795/99, conforme suas expectativas no tocante à inserção do que estabelece este item da citada Lei nos Projetos Pedagógicos de Curso. Tomaremos como referenciais teóricos as leis de educação ambiental e em especial a Lei nº 9.795/99 que estabelece a Política Nacional de Educação Ambiental. Esta pesquisa, contribuir para o debate contemporâneo sobre a Responsabilidade Socioambiental, sobretudo no âmbito do ensino superior e da formação consciente de futuros profissionais, uma vez que temas relacionados à Educação Ambiental são ainda de pouca repercussão na área do ensino em todas as modalidades e todos os níveis acadêmicos. A Metodologia de Investigação Comunicativa pressupõe a realidade como processo,  tendo como base algo que está sendo construído e interpretado coletivamente, a Teoria da Ação Comunicativa de Habermas, bem como o conceito de Dialogicidade de Freire. Foram usados dados quantitativos na caracterização dos cursos de graduação implicados, dos coordenadores de ensino (formação, tempo na universidade etc.) e em função da natureza da questão pesquisa a opção básica é pela abordagem qualitativa. A pesquisa bibliográfica e sobre as técnicas qualitativas de investigação, optamos por utilizar duas técnicas: entrevista comunicativa em profundidade e grupo de discussão comunicativo. Cinco questões foram discutidas individualmente com os coordenadores de cinco cursos, as entrevistas e os resultados foram submetidos à fase de transcrição de dados e realizada uma devolutiva aos coordenadores. Foram quatro fases nesse processo metodológico, sendo as duas primeiras individuais e as outras duas em grupo. O grupo chegou a um pensamento comum, do quão é importante a inserção da Educação Ambiental no ensino superior e muito tem o que se pensar e fazer “sobre...” na universidade.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Ensino Superior, Responsabilidade Socioambiental

Referências


Lei 9.795/99 de Política Nacional de Educação Ambiental. Acesso disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm, acesso em 19/07/2016 às 23:01

ONU Organização das Nações Unidas. Acesso disponível em:  https://onu.org.br/DesenvolvimentoSustentavel, acesso em 18/07/2016 as 12:44

BULOS, Uadi Lammêgo, Constituição Federal Anotada, Editora Saraiva 11ª edição.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. 11 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013, p. 129-143.

_____Pedagogia do oprimido. 14 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. PESQUISA EM EDUCAÇÃO: ABORADAGENS QUALITATIVAS. 10ª reimp. 2007 - São Paulo: EPU, 1986.

MELLO, Roseli Rodrigues. Metodologia de investigação comunicativa: contribuições para a pesquisa educacional na construção de uma escola com e para todas e todos. In: 29a. Reunião da ANPED, 2006, Caxambu. Anais... 29a. Reunião da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED, 2006. v. 1. p. 1-17.

FLECHA, Ramón, GÓMEZ Jesús, LATORRE, Antonio, SÁNCHES, Montse. Metodologia Comunicativa. Barcelona: El Roure Editora. 2006.

HABERMAS, Jürgens. Racionalidade e comunicação. Portugal: Edições 70, 1996. (tradução Rodrigues).

Projeto Pedagógico de Curso CIC. Acesso disponível em:  https://www.ufmt.br/cic, acesso em 18/04/2018 às 12:44