Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Porque startups falham? Uma análise dos fatores de influência da falência e sua dinâmica em relação a economia brasileira.
Kimberly Jessica Montagner Prote

Última alteração: 25-10-18

Resumo


A inovação acontece muitas vezes na soma de esforços e pela busca de resolução de um determinado problema, seja ele estritamente econômico ou não, através de novas combinações de fatores ou até mesmo de novos fatores. O crescimento das Startups no Brasil tem chamado atenção por ser um novo modelo de negócio baseado em inovações, a Associação Brasileira de Startups (ABStartup) apresentou um aumento nos números de associados em 68% nos últimos 5 anos (2012-2017). Startups são empresas novas com base tecnológica, alto grau de inovação e adaptabilidade, foco na resolução de problemas, seja de um grande mercado ou de nicho de consumidores, possui equipes enxutas, em sua grande maioria com até 5 pessoas, que levam inovação a diversos setores da economia através do seu novo modelo de fazer negócio. No entanto, nem só de sucesso essas empresas vivem, entre os fatores relacionados ao insucesso, estão a quantidade de sócios na concepção da empresa apresentando relação positiva da quantidade com as chances de encerramento das operações e o local de instalação visto que Startups que estão instaladas em coworkings ou parques tecnológicos elevam as chances de continuidade do negócio. Diversos outros motivos são citados na literatura, no entanto, os autores não chegam a denominadores em comum devido a dificuldade ao acesso de dados estatísticos provenientes desse setor e os estudos serem concentrados em determinados setores. Esse trabalho tem como objetivo principal elencar os principais motivos que levam as Startups brasileira a falência e verificar como sua rápida ascensão e falência alteram a dinâmica da economia nacional através do modelo computacional Agent-Based.

Palavras-chave


Startups; Inovação; Empreendedorismo; Insucesso

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE STARTUPS (ABStartups) (2018). Radiografia do Ecossistema Brasileiro de Startups 2017. Disponível em: < https://abstartups.com.br/PDF/radiografia-startups-brasileiras.pdf>

 

ARORA, Ashish; FOSFURI, Andrea; RONDE, Thomas. Waiting for the payday? The market for startups and the timing of entrepreneurial exit. National Bureau of Economic Research, 2018. Disponível: <http://www.nber.org/papers/w24350.pdf>

 

BARROCA, João Pedro Tomásia et al. O sucesso das startups em tempo de crise. 2012. Tese de Doutorado. Portugal, 2012, 86 pp.

 

FAGIOLO, Giorgio; ROVENTINI, Andrea. Macroeconomic policy in DSGE and agent-based models. Revue de l'OFCE, n. 5, p. 67-116, 2012. Disponível: <https://www.cairn.info/revuede-l-ofce-2012-5-page-67.html>

 

DOSI, Giovanni. (1982). Technological paradigms and technological trajectories. A suggested interpretation of the deerminants and directions of technical change. Research Policy, 11(3), 147-162. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/0048-7333(82)90016-6>

 

GELDEREN, M. V.; THURIK, R.; BOSMA, N. (2005). Success and Risk Factors in the Pre-Startup Phase. Small Business Economics (2005) 24: 365–380. Disponível em: <https://doi.org/10.1007/s11187-004-6994-6>

 

HALL, Bronwyn H.; ROSENBERG, Nathan (Ed.). Handbook of the Economics of Innovation. Elsevier, 2010.

 

MASON, Colin; BROWN, Ross. Creating good public policy to support high-growth firms. Small Business Economics, v. 40, n. 2, p. 211-225, 2013. Disponível: <https://link.springer.com/article/10.1007/s11187-011-9369-9>

 

MELO, Tatiana Massaroli; POSSAS, Mario Luiz; DWECK, Esther. Um modelo setorial baseado na abordagem kaleckiana da distribuição setorial funcional da renda e na teoria schumpeteriana da concorrência. Economia e Sociedade, v. 25, n. 1, p. 109-145, 2016. Disponível: < https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8647319>

 

NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. In search of a useful theory of innovation. In:

Innovation, economic change and technology policies. Birkhäuser, Basel, 1977. p. 215-245. Disponível: <https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-0348-5867-0_14>

 

NELSON, Richard R.; SIDNEY, G. Winter. An evolutionary theory of economic change.

1982. World Development, 17(9), 1319–1332. Disponível: <https://doi.org/10.1016/0305750X(89)90075-2>

 

PAVITT, Keith. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory.

Research policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, 1984. Disponível: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0048733384900180>

 

RIBEIRO, Rafael SM; MCCOMBIE, John SL; LIMA, Gilberto Tadeu. Exchange rate, income distribution and technical change in a balance-of-payments constrained growth model. Review of Political Economy, v. 28, n. 4, p. 545-565, 2016. Disponível: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09538259.2016.1205819>

 

SCHUMPETER, Joseph Alois. Business cycles: a theoretical, historical, and statistical analysis of the capitalist process. McGraw-Hill Book Company, 1983.

 

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.