Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Educomunicação e transmídia: Ferramentas para espaços não-formais de educação.
Mariana Cristina Mouro, Benedito Dielcio Moreira

Última alteração: 16-10-18

Resumo


A educomunicação é definida como um conjunto de ações que propõem a elaboração de ecossistemas comunicativos, interação entre professor e aluno, envolvimento da instituição de ensino com a comunidade local, sendo tais relações francas e abertas, proporcionando o sentimento de pertencimento dos envolvidos e, assim, trabalhando no crescimento da autoestima dos integrantes e na capacidade de expressão das pessoas. A educomunicação também permite aos integrantes a liberdade para o uso de ferramentas tecnológicas como o celular, computador, tablet e outros. Essa liberdade para o manuseio das tecnologias na hora de estudar possibilita ao aprendiz uma liberdade criativa, sem amarras, inclusive com o uso de diferentes narrativas, como é o caso da narrativa transmídia, por exemplo, que pode ser caracterizada como histórias que se desdobram por meio de diversas plataformas e formatos (áudio, texto, audiovisual, quadrinhos, etc), cada uma com sua própria linguagem e com elementos novos acrescentados à história original. Esse tipo de narrativa depende da participação e engajamento do pulico para sua eficácia, permitindo a esse público a interação com a história, cirando ou recriando a mesma. Com a proposta de discutir educomunicação e transmídia enquanto ferramentas que proporcionam liberdade criativa e formas diferenciadas de se trabalhar o ensino/aprendizagem, o presente trabalho propõe analisar o uso de tais práticas, por parte de professores e alunos, em espações não formais. Por espaços não formais entende-se espaços que se localizam em territórios que acompanham as trajetórias de vida dos grupos e indivíduos, para além da escola, em locais informais, locais onde há processos interativos intencionais, sendo a questão da intencionalidade um elemento importante de diferenciação. Desta forma, a pesquisa propõe a investigação de práticas educomunicativas e do uso e narrativas transmídia em espaços não formais, notadamente digitais, como parte do processo interativo de professores e alunos de escolas da rede de ensino público do Estado.