Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A ANÁLISE SWOT COMO FERRAMENTA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO EM ASSENTAMENTOS RURAIS: UM DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO NO ASSENTAMENTO 26 DE JANEIRO
Karine Lopes, Anna Luiza Ferrari Oliveira, Jaqueline Dias Andrade, José Adolfo Iriam Sturza

Última alteração: 06-11-18

Resumo


A questão agrária brasileira, retomada, principalmente, nos anos de 1980 e 1990 pelos movimentos sociais rurais, tem motivado diversos estudos acadêmicos e programas governamentais. Nesse contexto está o presente estudo, realizado em um assentamento rural, localizado no município de Pedra Preta-MT. O assentamento conhecido como 26 de Janeiro, conta com 59 famílias assentadas, passa por dificuldades  para se organizar internamente e tem alguns gargalos para suprir suas necessidades básicas, como foi observado durante o trabalho de campo. Com base na ferramenta de análise de fatores internos e externos, conhecida na administração como análise SWOT e ainda utilizando dos estudos no campo econômico, definido pelos institucionalistas como capital social, o presente trabalho, tem como objetivo diagnosticar fatores da comunidade que mais impactam no desenvolvimento local. A metodologia, estudo de caso, utilizada para as entrevistas e o tratamento dos dados, utilizou-se tanto de métodos quantitativos quanto de métodos qualitativos e classifica-se como exploratória. Os dados primários foram obtidos por meio de entrevista pessoal com 16 famílias de agricultores e os dados secundários em fontes bibliográficas. Os resultados da pesquisa permitiram visualizar os fatores internos e externos que impactam nas estratégias de desenvolvimento local, como exemplo, a dificuldade de organizarem em uma associação de moradores, que segundo os assentados se dá pela falta de interesse e pela baixa participação de alguns dos assentados nas atividades da associação. Concluiu-se com o trabalho que os assentados não estão satisfeitos com as estratégias que vem sendo desenvolvidas dentro do assentamento, principalmente no que se refere às tentativas de fortalecimento da associação de moradores, a qual foi um dos pontos mais levantados na análise SWOT, tanto dentro das propriedades, como dentro do assentamento. A baixa capacidade de coordenação dos moradores se demonstrou como um fator de impedimento para o desenvolvimento local e para o sucesso da associação dos moradores.

 


Palavras-chave


SWOT, Planejamento Estratégico, Capital Social, Assentamentos rurais

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. O capital social dos territórios - repensando o desenvolvimento rural. Economia Aplicada, v. 4, n. 2, p. 379-397, Abril/Junho, 2000.

ALBUQUERQUE, F. J. B.; COELHO, J. A. P. M.; VASCONCELOS, T. C. As políticas públicas e os projetos de assentamento. Estudos de Psicologia- Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, v. 9, n. 1, p. 81-88, Abr, 2004.

BITTENCOURT, G. A.; CASTILHOS, D. S. B.; BIANCHINI, V.; SILVA, H. B. C. Principais fatores que afetam o desenvolvimento dos assentamentos de reforma agrária no Brasil. Projeto de Cooperação Técnica INCRA/FAO, Brasília, DF, 1999.

BOURDIEU, Pierre. La distinction. Paris: Les Éditions de Minuit, 1979.

CANDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito - estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Duas Cidades, 1982.

CARNEIRO, M. J. Ruralidade - novas identidades em construção. Estudos, sociedade e agricultura. Rio de Janeiro, RJ, n.11, p. 53-75, Outubro, 1998.

CASAROTTO FILHO, Nélson.; PIRES, Luís Henrique. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local - estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

COLEMAN, James S. Foundations of social theory. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

CRÚZIO, H. de O. Por que as cooperativas agropecuárias e agroindustriais brasileiras estão falindo?. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, SP, v. 39, n. 2, Abril/Junho, 1999.

FONTE, M. Tradiciones y nuevos modelos de ruralidad em las regiones del Mediterráneo. Revista Estudios,  Sociedades y Agricultura, , n. 15, p. 147-157, Outubro, 2000.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas. 4.ed, 2002.

HERRERO FILHO, Emilio. Pessoas Focadas na Estratégia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

JONES, Gareth.; GEORGE, Jennifer. Fundamentos da Administração Contemporânea. 4 ed. São Paulo: Bookman, 2011.

KOTLER, Philip. Administração de marketing - análise, planejamento, implementação e controle. 2. ed, São Paulo: Editora Atlas, 1992.

MULS, L. M. Desenvolvimento Local, Espaço e Território - o Conceito de Capital Social e a Importância da Formação de Redes entre Organismos e Instituições Locais. Revista Economia, Brasília, DF, v.9, n.1, p. 1-21, Jan/Abril, 2008.

 

NETO, Eduardo Ribeiro. ANÁLISE SWOT: Planejamento Estratégico para Análise de Implantação e Formação de Equipe de Manutenção em uma Empresa de Segmento Industrial. Faculdade Pitágoras, São João Del Rei, 2011.

NILSSON, J.; KIHLÉN, A.; NORELL, L. Are traditional cooperatives an endangered species? About shrinking satisfaction, involvement and trust. International Food and Agribusiness Management Review, v.12, n.4, p. 100-122, 2009.

 

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia, Práticas. 29. ed, São Paulo: Atlas, 2011.

PEREIRA, Maurício Fernandes. Planejamento estratégico - teorias, modelos e processos. São Paulo: Atlas, 2010.

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

PUTNAM, Robert D. Bowling alone: the collapse and revival of American community. New York: Simon & Schuster, 2000.

 

PUTNAM, Robert D. Making Democracy Work. Princeton University Press, Princeton. Traduzido para o português pela Editora FGV (2000). Rio de Janeiro, 1993.

 

RIGO, A.; OLIVEIRA, D. G.; COSTA, F. J. C.; BRANDÃO, P. S. S.; SOUZA, D. D. Profissionalização da gestão e autogestão: um estudo dos problemas que ocasionaram a dissolução das cooperativas agrícolas dos perímetros irrigados no Vale do Rio São Francisco. XXXII EnANPAD, Rio de Janeiro, RJ,  Setembro, 2008.

RODRIGUES, R. V.; CASTRO, E. R.; TEIXEIRA, E. C. Avaliação de uma política de estabilização de renda para a agricultura familiar. Revista de Economia e Sociologia Rural. Brasília, DF, v. 45, n. 1, p. 139-162, Jan/Mar, 2007.

TESCHE, R. W. As relações de reciprocidade e redes de cooperação no desempenho socioeconômico da agricultura familiar: o caso dos produtores de leite do município de Sete de Setembro/RS. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Rural - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2007.

 

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação- o Positivismo, a Fenomenologia, o Marxismo. São Paulo: Atlas, 2009.

 

WANDERLEY, M. N. B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas- o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, n.11, p. 87-146, Outubro, 2000.