Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A CONSTRUÇÃO DO FEMININO A PARTIR DAS POMBAGIRAS NAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS
Heloisa Lima de Carvalho, Dolores Cristina Gomes Galindo

Última alteração: 17-10-18

Resumo


Este trabalho realiza um estudo em dois terreiros de religiões afro-brasileiras em Cuiabá- Mato grosso com a finalidade de refletir a construção do feminino a partir das Pombagiras  visando compreender a experiência do “ser mulher” das praticantes frequentadoras do Candomblé e Umbanda, discutir as relações das médiuns com suas Pombagiras através das entrevistas coletadas. Além disso, buscamos compreender o que é ser mulher a partir das relações de gênero que permeiam estas religiões, observando as intersecções entre gênero, raça/etnia e sexualidade. Ademais trataremos outras questões relevantes, dentre elas o bem e o mal associados a Pombagira. A finalidade é fazer uma leitura socialmente diferenciada da imagem das Pombagiras, desmitificando sua associação com o mal, uma vez que agem como intermediadoras das relações amorosas vinculadas ao poder via sexualidade, além de sua manifestação como contestadoras do papel feminino construído na sociedade patriarcal. Para isso, recorreremos a Etnopsicologia que permite ao pesquisador, inserido nos espaços religiosos afro-brasileiros, assumir a postura de consulente possibilitando interpretações baseadas no diálogo interdisciplinar entre a Psicologia Social e o Movimento Colonialidade/Modernidade. O método utilizado será a pesquisa narrativa que tem como foco a experiência humana facilitando a interação entre pesquisador e participantes.

 


Palavras-chave


Gênero; Sexualidade; Pombagira; Etnopsicologia; Pesquisa narrativa

Referências


ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009 (Sankofa: Matrizes africanas da cultura brasileira, v. 4).

 

AUGRAS, Monique. De Yiá Mi a Pomba Gira: Transformações e Símbolos da Libido. In: MOURA, C. (Org.). Candomble: religião do corpo e da alma. Tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

 

BAIRRÃO, José Francisco Miguel Henriques. A escuta participante como procedimento de pesquisa do sagrado enunciante. Estudos de Psicologia, v. 10, n. 3, p. 441-446, 2005.

______. Etnopsicologia no Brasil: teorias, procedimentos, resultados. Salvador: EDUFFBA, 2015.

CLANDININ, D. Jean. CONELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

 

MEYER, Marlyse. Maria Padilha e toda sua quadrilha? São Paulo: Duas Cidades, 1993.

 

NOBLES. Wade W. Sakhu Sheti: retomando e reapropriando um foco psicológico afrocentrado. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin.  (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro. 2009 (Sankofa: Matrizes africanas da cultura brasileira: 4).

 

OYEWUMI, Oyeronke. La invencion de las mujeres: una perspectiva africana sobre las discursos occidentales del gênero. Editorial  in la frontera, 2017, Bogotá, Colômbia. Tradução de Alejandro 1997/2017.

 

PRANDI, Reginaldo. Modernidade com Feitiçaria: Candomblé e Umbanda no Brasil do seculo XX. Tempo Social. Rev. Social. USP. São Paulo: 49-74. 1. sem. 1990.

 

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales, 2005.

 

SCOTT. J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, p. 71-99, jul./dez. 1995.