Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Abundância das comunidades microbianas em diferentes tipos de solo
Kaynara Fabíola Lima Kavasaki, Milton Ferreira de Moraes

Última alteração: 23-10-18

Resumo


Atualmente, há uma necessidade urgente em se adotar práticas adequadas de manejo do solo e das culturas nos ecossistemas, as quais podem contribuir para a redução da degradação do solo ou manter a qualidade do solo em um nível desejado. Portanto, sistemas de cultivo em que não são adotadas práticas de manejo adequadas podem alterar fortemente a atividade dos microrganismos, resultando na alteração da quantidade e composição. Desse modo, buscou-se avaliar como a utilização de diferentes tipos de solos agrícolas interfere na abundância das comunidades microbianas. As amostras foram coletadas entre os meses de janeiro a julho de 2017. Para avaliação da microbiota realizou-se a análise de abundância de bactérias, fungos e arqueias por meio de (qPCR). A análise de abundância de genes marcadores da microbiota do solo, apresentou diferença significativa entre os diferentes tipos de solo (p<0,05). O número de cópias do gene 16S rRNA variou de 7,96 a 9,00 (log do número de cópias por grama de solo). O gene 16S rRNA foi mais abundante em Neossolo do que em Nitossolo, Planossolo e Plintossolo, enquanto, Gleissolo não diferiu em abundância dos demais. Em relação a abundância de arqueias, a variação entre os diferentes tipos de solo foi de 6,67 a 7,25. O Plintossolo apresentou a menor abundância de arqueia, embora os valores não tenham sido significativamente diferentes de Argissolo, Latossolo, Gleissolo e Planossolo. Por outro lado, Cambissolo e Nitossolo não foram estatisticamente menores que Neossolo ou maiores que os demais, exceto Plintossolo. A abundância dos fungos variou de 6,94 a 7,27. O gene ITS foi mais abundante em Argissolo e Cambissolo do que em Planossolo, enquanto os demais não diferiram em abundância. Portanto, conclui-se que diferentes tipos de solo são capazes de promover modificações significativas na abundância dos grupos microbianos, tanto em áreas cultivadas com soja, quanto em áreas de pastagens.

Palavras-chave


microbiologia do solo, qPCR, manejo