Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
“Entre o Saber e o Fazer: um estudo sobre a didática da História e a atuação do CEFAPRO de Rondonópolis na formação continuada de professores de História”
Éverton Silva Oliveira

Última alteração: 20-10-18

Resumo


Durante o século XIX, Historiadores na busca por uma identidade científica, ao definirem a disciplina de História, acabaram por se distanciar daquilo que mais atribui sentido à História, seu enraizamento às necessidades sociais para orientar a vida dentro de uma estrutura temporal. Todavia, precisamos lembrar que o pensamento histórico é orientado por interesses humanos básicos presentes nas diversas áreas: econômica, social, política, cultural, onde esteja o interesse do ser humano, lá haverá um campo para o estudo da história. No século seguinte, há uma busca pela profissionalização chegando cada vez mais próximo daquilo que Tardif (2011) define como “crise do profissionalismo”. No século XXI, História é ciência, é disciplina escolar, o Historiador é oficio, mas a que distância está o Ensino de História, como nos lembra Rüsen (2006), “das origens da história na natureza humana, e quais são seus usos na vida humana”?  Em meio a uma crise governamental, retrocessos em políticas públicas, reformas educacionais, a cogitação de extinção de disciplinas escolares como a de História, um alerta se acende quanto a importância do ensino de História e como despertar este sentimento no estudante, e também no professor. O trabalho intitulado “Entre o Saber e o Fazer: um estudo sobre a didática da História e a atuação do CEFAPRO de Rondonópolis na formação continuada de professores de História”, tem com objeto de pesquisa a Didática da História no Ensino de História. Esta pesquisa traz como questão a atuação do CEFAPRO – Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica – de Rondonópolis, na formação continuada de professores que, especificamente, lecionam a disciplina de História. Ao se pensar no ensino formal de História é necessário recordar de dois momentos muito específicos: a formação inicial e da formação continuada de professores. Sendo assim, optamos por não nos furtar aos estudos de Libâneo (2004 - 2015), Tardif (2011), Zamboni e Fonseca (2008). A partir do levantamento bibliográfico a respeita do ensino de História, o trabalho busca encontrar uma um sentido para o aprendizado através da disciplina de História: O que esperar deste ensino? O que ensinar? Como ensinar? Para que estudar história? A busca por respostas, ou melhor, por um sentido para o ensino de História nos traz a um aspecto muito importante que media a relação entre o ensino e a aprendizagem em História: a Didática da História. A partir daí a pesquisa passa a ser subsidiada por estudos desenvolvidos pelo historiador e filósofo alemão Jorn Rüsen (2006 – 2015) e estudiosos de sua teoria como Schmidt (2005 – 2016), Cainelli (2009), Fonseca (2008 – 2016), Barca (2007 – 2017), Cerri (2001 – 2013) entre outros. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental, com caráter qualitativo que busca através da análise documental demonstrar como o CEFAPRO tem e pode estar contribuindo com a formação continuada de professores que atuam na disciplina de história.

 

 

 


Palavras-chave


Educação Histórica; Ensino de História; Didática da História; Formação Continuada; Cefapro

Referências


Barca, Isabel. “História e diálogo entre culturas: contributos da teoria de Jörn Rüsen para aorientação temporal dos jovens”. Intelligere, Revista de História Intelectual, vol. 3, nº2, p. 77-89. 2017. Disponível em
http://revistas.usp.br/revistaintelligere>. Acesso em 15/10/2018.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

RÜSEN, Jörn.Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. In: Práxis Educativa. Ponta Grossa, PR. v. 1, n. 2, p. 07 – 16, jul.-dez. 2006. Tradução de Marcos Roberto Kusnick.

______. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007. Tradução de Estevão de Rezende Martins.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora M.S. e GARCIA, Tânia M.F.B. A formação da consciência histórica de alunos e professores e o cotidiano em aulas de  História. Caderno Cedes, Campinas, v.25, n.67, set/dez.2005. p. 297-308.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora, e CAINELLI, Marlene. Ensinar História. São Paulo: Scipione, 2004.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Pesquisas em Educação Histórica: algumas
experiências. In. SCHMIDT, Maria Auxiliadora e GARCIA, Tânia M.Braga. (org) Educar em Revista: Número Especial 2006, Dossiê: Educação Histórica. Curitiba, PR: Editora UFPR, 2006. n 164. p. 11 a 31.

TARFIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional / Maurice Tradif. 12. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ZAMBONI, Ernesta e FONSECA, Selva Guimarães. (orgs.) Espaços de formaçãodo professor de História. Campinas, SP: Papirus, 2008.