Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA NA INIBIÇÃO DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Saccharum spp
Monica Franco Nunes, Leimi Kobayasti

Última alteração: 23-10-18

Resumo


As sementes de cana-de-açúcar germinam em curto período de tempo, dificultando e até mesmo impedindo a realização de teste de sanidade nas sementes, devido à germinação influenciar negativamente nos resultados. Dessa forma, a restrição hídrica se torna um método necessário para submeter as sementes ao período de incubação para detecção de patógenos.O teste de restrição hídrica foi realizado em placas de Petri contendo como substrato papel de filtro, sendo umedecido com solução de acordo com o potencial osmótico estabelecido, seguido de incubação em câmara de crescimento por sete dias à temperatura de 25 ºC e fotoperíodo de 12 horas luz (lâmpadas fluorescentes tipo “luz do dia”) e 12 horas escuro.Os tratamentos constaram da embebição do papel em soluções composta por 7 níveis de potenciais hídricos (0,0; -0,2; -0,4; -0,6; -0,8;- 1,0 e -1,2 MPa) induzidos por soluto osmótico composto por cloreto de Sódio (NaCl). As avaliações para verificar a germinação foram feitas a cada dois dias após a semeadura, através de uma lupa e no sétimo dia, foram avaliados comprimento: radícular, parte aérea e comprimento total de todas plântulas desenvolvidas, sendo os valores expressos em mm por planta, utilizando paquímetro digital.O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, e os dados foram analisados quanto à sua homogeneidade e submetidos à análise de variância (ANOVA) pelo software estatístico Assistat e os níveis de concentração salina foram analisados por meio de regressão.A utilização da restrição hídrica por meio do NaCl em potenciais -0,4 e -0,6MPa, caracteriza-se como promissores para reduzir ou impedir a germinação de sementes de Saccharum spp submetidas ao teste de incubação, visando detecção dos principais patógenos associados às sementes dessa espécie.


Palavras-chave


saccharum; restrição hídrica; NaCL

Referências


ANDREO-SOUZA, Y.; FERREIRA, A. L.; SILVA, F. F. S.;  RIBEIRO-REIS,  R.  C.;  EVANGELISTA,  M. R.V.; CASTRO, R. D.; DANTAS, B. F. Efeito da salinidade  na germinação de sementes e no crescimento inicial de mudas de pinhão manso. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 2, p. 83-92, 2010. Disponível  em: <http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/ doc/864946/1/Barbara.pdf>.

CESNIK, R.; MIOCQUE,J.; Melhoramento da cana-de-açúcar, Brasília, Embrapa, 2016, 307p.

MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, 2006. 638 p.

MAIA, J. M.; VOIGT, E. L.; MACÊDO, C. E. C.; FERREIRA-SILVA, S.  L.;  SILVEIRA,  J.  A.  G. Salt-induced  changes  in  antioxidative  enzyme  activities   in root tissues do not account for the differential salt tolerance of two cowpea cultivars. Brazilian Journal Plant Physiology, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 113-  122, 2010. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1677 04202010000200005&script=sci_ arttext>. Acesso em: 21 jul. 2015.

MUNNS, R.; TESTER M. Mechanisms of salinity tolerance. Annual Review of Plant Biology, Palo Alto, v. 59, n.1, p. 651-681, 2008. Disponível em: <http:// www.annualreviews.org/doi/pdf/10.1146/annurev. arplant.59.032607.092911>. Acesso em: 05 ago. 2015.

RUBBINIGG, M.; WENISCH, J.; ELZENGA,  J. T. M.; STULEN, I. NaCl salinity affects lateral root development in Plantago maritima. Functional Plant Biology, Melbourne, v. 31, n. 8, p. 775-780, 2004. Disponível em: <http://www.publish.csiro.au/paper/ FP03222.htm>. Acesso em: 06 ago. 2015.

SILVA, R. N.; LOPES, N. F.;   MORAES,   D. M.; PEREIRA, A. L.; DUARTE, G. L. Physiological quality of barley seeds submitted to saline stress. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 29, n.1 p. 40-44, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-31222007000100006&script=sci_ arttext>.