Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Mostra de Extensão

Tamanho da fonte: 
CONHECIMENTO, ATITUDES E PRÁTICAS AUTORREFERIDAS DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA, CUIABÁ-MT
Edjane Araujo Silva, Poliana Azevedo Santos, Andressa Menegaz

Última alteração: 27-09-17

Resumo


As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) e/ou água contaminada, ocorrem principalmente devido a presença de microrganismos em alimentos, sendo também fortemente influenciadas pelas práticas inadequadas na manipulação dos alimentos. A maior prevalência de surtos de DTAs ocorrem nas residências, desse modo, os agentes comunitários de saúde (ACS), como ligação direta entre os profissionais da saúde e a população, são mediadores que auxiliam na prevenção dessas doenças. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento, atitudes e práticas autorreferidas de agentes comunitários de saúde, participantes de um projeto de extensão, em relação às boas práticas para produção segura de alimentos. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, realizado a partir da análise de dados secundários, que foram coletados por meio de questionário validado de conhecimento, atitudes e práticas autorreferidas aplicado aos ACS das Unidades de Saúde da Família I e II de dois bairros localizados na regional sul no município de Cuiabá - MT. Foi atribuído 1 ponto para as respostas corretas, 0 para incorretas e categorizadas como “NÃO SEI”, no questionário que avaliou conhecimento e atitudes. Nas práticas autorreferidas existiam as opções: "SEMPRE", "FREQUENTEMENTE," "AS VEZES," "RARAMENTE" e "NUNCA", conferindo pontuações de 1 a 5, sendo atribuído 5 pontos para a correta. Posteriormente, os dados coletados foram tabulados e analisados através do software Epiinfo 7.0. O número total de ACS participantes foi de 33. O menor número de acertos (6,1%) pelos ACS, no questionário de conhecimento, estava relacionado à maneira correta de higienizar as mãos. No questionário de atitudes, 54,5% não responderam corretamente a questão sobre a garantia de segurança na manipulação de alimentos. Quando avaliadas as práticas dos ACS, a menor média (Md=2,12±1,41) encontrada foi em relação à maneira adequada de descongelamento. Os resultados encontrados demonstram a necessidade de capacitação dos ACS, devido ao seu papel de intermediador entre a população e a equipe de saúde, sendo um meio de atingir a população, promovendo a saúde e prevenindo doenças entre a comunidade local.


Palavras-chave


Agentes Comunitários de Saúde; Boas Práticas; Doenças Transmitidas por Alimentos.

É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.