Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Mostra de Extensão

Tamanho da fonte: 
Uso de Eritropoetina humana recombinante em Tamanduá-mirim (Mymecophaga tridactyla) - Relato de Caso
Jordana Gomide Braz

Última alteração: 27-09-17

Resumo


Quadros clínicos relacionados a anemias severas tem como indicação terapêutica o uso de estimulantes de eritropoiese, entre eles a eritropoetina (EPO) humana recombinante (Hemax Eritron® 4.000UI), um fármaco antianêmico com ação estimulante da eritropoiese, promovendo a liberação de células vermelhas a partir da medula óssea, e aumento da quantidade de plaquetas. Em tais quadros ainda, o protocolo em associação com fármacos à base de sais de ferro, amplifica os efeitos da ação da eritropoetina. O objetivo deste resumo é relatar o uso da eritropoetina humana recombinante em um exemplar de tamanduá-mirim (Myrmecophaga tetradactyla), macho, adulto, pesando 6,450 kg, procedente de vida livre, com histórico de trauma por atropelamento e hemorragia abdominal difusa. O animal foi atendido no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso – campus Cuiabá, apresentando hematúria, anorexia e escoriações de pele. A realização de exames complementares através da ultrassonografia, revelou a presença de liquido livre na cavidade abdominal, sendo realizada a punção e colheita de material sanguinolento. A partir deste resultado foi realizada uma laparotomia exploratória de emergência, que resultou em uma esplenectomia total. O hemograma pré-cirúrgico indicava uma anemia microcítica hipocromica e trobocitopenia, com um hematócrito de 19%. Após a cirurgia este valor apresentou queda para 16% (valor descrito para a espécie 32 – 38%). Diante do quadro clinico apresentado, e na impossibilidade de realização de transfusão sanguínea a partir de um indivíduo da mesma espécie, optou se pelo uso da eritropoetina humana recombinante embora não tem sido encontrado relatos do uso deste fármaco em tamanduá-mirim.  Administrou se por via subcutânea a dose de 0,32 ml, tomando como base a indicação da dose para cães (100UI/Kg), em associação com o sulfato ferroso (10 mg/Kg/a cada 24h), por via oral. Após 15 dias de tratamento os valores hematológicos apontavam para melhora com resposta positiva no aumento do valor de hematócrito para 26%. O uso da eritropoetina humana recombinante mostrou se eficaz na resposta hematimétrica deste espécime, promovendo aumento de valores de hematócrito e trombócitos, após apenas duas aplicações, com intervalo de sete dias, no período pós cirúrgico. Este é o primeiro relato de uso da eritropoetina humana recombinante em tamanduá-mirim, revelando uma opção terapêutica para pacientes em quadros anêmicos críticos, com limitações para realização de transfusões sanguíneas e com resultado satisfatório para esta espécie.

Palavras-chave


anemia aguda; xenarthra; epotina;

É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.