Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, V SEMANA ACADÊMICA DE SINOP

Tamanho da fonte: 
SOCIALIZANDO ASPECTOS DA PRESERVAÇÃO E DA CRIAÇÃO DE ABELHAS SEM FERRÃO
Adilson Heidmann, Carmen Wobeto

Última alteração: 09-10-18

Resumo


As abelhas sem ferrão (ASF) são polinizadoras de 30 a 90% das espécies vegetais da mata amazônica. Desse modo, é importante lançar olhar para a preservação dessas abelhas em nosso contexto mato-grossense, pois a cidade de Sinop apresenta crescimento acelerado e consequentemente, aberturas de áreas de vegetação nativa para construção de loteamentos urbanos, ações que afetam diretamente os ninhos habitados por várias espécies de abelhas nativas. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi socializar os conhecimentos sobre a importância destas abelhas e algumas técnicas para criação e multiplicação das colmeias. Nesse sentido, foram realizadas oficinas de meliponicultura com alunos da Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Ver. Rodolfo Valter Kunze, acadêmicos dos Cursos de Licenciatura da UFMT/Campus de Sinop integrantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), professores da EMEB Sadao Watanabe, acadêmicos dos cursos de Ciências Agrárias da UFMT/Sinop e alguns cidadãos de Sinop/MT, iniciantes na atividade de meliponicultura. Para os alunos da EMEB Ver. Rodolfo Valter Kunze foi ministrada uma oficina de 4 horas, que consistiu na apresentação, em sala de aula da referida Escola, dos aspectos principais das ASF, com o título “Abelhas sem ferrão e sua importância para o meio ambiente”, em novembro de 2017. Para os alunos do PIBID foi ministrado curso de 10 h, incluindo oficina de produção de iscas de garrafa pet para captura de enxames e visitação do Meliponário Experimental da UFMT/Campus de Sinop, em dezembro de 2017.  Em junho e julho de 2018 foram realizadas 02 oficinas de divisão de colmeias no Meliponário Experimental da UFMT, a primeira realizada para os professores da EMEB Sadao Watanabe e a segunda para 06 cidadãos de Sinop interessados em aprender esta técnica de multiplicação de enxames. Nesta mesma oficina também participaram 04 alunos dos cursos de Ciências Agrárias da UFMT/Sinop, como multiplicadores do manejo meliponícola. Nas oficinas foram realizadas divisões de colmeias das espécie Melipona pernigra, popularmente chamada de Uruçu boca de renda, Scaptotrigona polysticta, conhecida por Benjoí e Scaptotrigona sp., nome comum de Mandaguari, que foram multiplicadas e alocadas em caixas racionais para formação de novas colônias. As atividades intencionaram promover um maior engajamento das instituições de ensino, dos cidadão de Sinop iniciantes na atividade de meliponicultura e dos acadêmicos da UFMT no sentido de sensibilizar para a importância da preservação das ASF.



Palavras-chave


Abelhas sem ferrão; Ensino; Conscientização; Atividade de extensão