Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
NEUROCIÊNCIA EM AÇÃO: DA UNIVERSIDADE AO ENSINO FUNDAMENTAL
Raphael Christhian Brandão de Souza, Arianny Ferreira de Souza, Ivan Lucas da Costa e Souza, Izadora Mendonça de Melo, Luiz Fabrizio Stoppiglia

Última alteração: 24-06-19

Resumo


INTRODUÇÃO: As neurociências são o campo de investigação que se dedicam ao estudo do sistema nervoso e têm experimentado marcante desenvolvimento nas últimas duas décadas atuando de maneira interdisciplinar com áreas como a Educação, Psicologia e a Saúde (LENT, 2008). Nesse contexto, é importante ressaltar que o cérebro sendo um componente essencial do sistema nervoso central, se mostra extremamente significante para o processo de aprendizagem, de forma que as neurociências se constituem como importantes aliadas no contexto educacional, sendo possível utilizar o conhecimento científico como ferramenta para auxiliar no processo de ensino aprendizagem (OLIVEIRA, 2014). De modo geral, a promoção de ciência se mostra benéfica para o processo educativo, pois estimula um comportamento crítico. Nesse sentido, a divulgação científica propicia a compreensão de fatos essenciais, sendo a escola a grande mediadora destes conhecimentos. Em 2019 ainda é pequena a apresentação de áreas das neurociências dentro do ambiente universitário e a mesma é quase desconhecida no Ensino Médio. Diante desse cenário, a universidade possui um papel importante na divulgação da produção científica e na promoção do acesso ao conhecimento. Por isso, esse projeto tem como enfoque levar os alunos universitários a apresentar as neurociências nas escolas de Ensino Médio, com exposições teóricas que estimulem o senso crítico e provendo uma aproximação com escolas públicas carentes, onde poucos alunos se aventuram em vagas na UFMT. Desse modo, a extensão universitária exerce sua função crucial de promover a difusão do conhecimento das ciências para diferentes públicos (MARANDINO, 2013). OBJETIVOS: No Contexto Acadêmico, esse projeto pretende aprofundar os conhecimentos de alunos que já tiveram um contato com a temática; no Contexto Público Externo, pretendemos levar a Neurociência até adolescentes de escolas carentes, praticando um ensino servido de práticas que retire as barreiras entre tais alunos e o ambiente acadêmico. METODOLOGIA: Parte do projeto ainda está em processo de desenvolvimento, devido a alguns contratempos como a greve no Ensino Público Estadual. As atividades foram pensadas para adentrar eixos de conhecimentos do ENEM, como Biologia celular, Sistemas corporais, Patologia comuns e Cognição, a serem feitas algumas no espaço das escolas e outras na Universidade. Uma vez que o projeto possa chegar de fato às escolas, o critério de avaliação do projeto será a intenção de concorrer a vagas na UFMT. Durante a III Mostra de Estágio em Psicologia realizada no Instituto de Educação da UFMT, executamos uma apresentação sobre a Biologia Celular e Microscopia no Laboratório de Ciências do Instituto e uma dinâmica sobre fundamentos básicos de neurociências. Expusemos os componentes da célula animal por raspagem da boca dos alunos e da célula vegetal por corte histológico de plantas, abordando as diferenças estruturais e funcionais entre esses dois tipos de células, como também as regras básicas na utilização do microscópio óptico. No segundo momento, foram realizadas duas atividades que consistiram em apresentar de maneira dinâmica conceitos atrelados à neurociência como memória e atenção abordadas no jogo “Face a Face”. O jogo consistia em analisar diferentes detalhes de uma figura durante quinze segundos e representá-las com o maior número de detalhes em um minuto. A segunda atividade fundamentou-se nos aspectos sintomatológicos de algumas patologias: eram apresentados verbalmente pelos instrutores os sintomas de cinco doenças e os estudantes tinham que relacioná-los com prontuários elaborados previamente e entregues a eles. RESULTADOS: Enquanto a greve das escolas perdurar, o que temos a trabalhar são ações-piloto. Nas ações realizadas durante o III-MEP, conseguimos um grande envolvimento dos membros do grupo e das crianças participantes. Os muitos questionamentos sobre uso do microscópio, sobre seu uso para identificar microrganismos, assim como sobre a evolução celular, sinalizaram que conseguimos alcançar o nível crítico dos alunos. CONCLUSÃO: Nas ações futuras, esperamos enriquecer tais conteúdos ao ponto de alcançar discussões dos alunos sobre os conteúdos do ENEM e da Neurociência. O contato inicial com os alunos também revelou algumas dificuldades de planejamento (como logística das atividades) e pontos fortes do projeto como o contato dos alunos com tecnologias e experimentação.

Palavras-chave: Neurociências; Ensino médio; Ensino fundamental; ENEM

Referências Bibliográficas

LENT, Roberto. Neurociência: da mente e do comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

MARANDINO, M. Educação, ciência e extensão: a necessária promoção. Revista Cultura e Extensão USP, São Paulo, v. 19, pág. 89-100, 2013.

OLIVEIRA, G. G. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 18, n. 1, p. 13-24, 2014.