Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
O IMPACTO DAS SÉRIES INICIAIS NA VIDA DO SUJEITO SURDO: UMA PERCEPÇÃO RETROSPECTIVA
Keyla Aparecida Fortes de Oliveira, Tatiane Lebre Dias

Última alteração: 24-06-19

Resumo


Este trabalho de natureza qualitativa tem como finalidade investigar a inserção do aluno surdo na educação básica e o impacto causado pela deficiência na inclusão desses sujeitos nas modalidades de interação e comunicação com os envolvidos nos anos iniciais de escolarização. A Língua Brasileira de Sinais- Libras, é oficialmente reconhecida como meio de comunicação das pessoas surdas pela Lei Nº 10.436/02 e desde a oficialização desta lei que reconheceu a Libras como meio legal de comunicação do sujeito surdo com um sistema linguístico diferenciado, a inclusão de alunos com surdez vem sendo uma problemática para os envolvidos nas instituições de ensino tendo em vista que pouco se tem feito para que o processo de ensino-aprendizagem seja de fato concretizado nas diversas etapas da educação. A Língua de sinais não substitui a modalidade escrita da Língua Portuguesa e por essa razão o surdo enfrenta dificuldades na aquisição do conhecimento cientifico específico das disciplinas escolares e consequentemente um baixo desenvolvimento psíquico do mundo exterior. A utilização da linguagem visual nos ambientes educacionais deveria ser utilizada para proporcionar a efetiva inclusão do surdo e proporcionar sua interação com sujeitos ouvintes para melhor desenvolver-se socialmente e cognitivamente para que o efeito subjetivo da construção psíquica tivesse menor impacto no sujeito Surdo. O ser humano é um sujeito aberto ao mundo e é movido por desejos e sentimentos que faz com que este seja responsável pela sua própria construção como indivíduo social em sua relação interpessoal, por esse motivo o surdo encontra barreiras no desenvolvimento que é marcada pela aquisição tardia da primeira língua como meio de evolução e interação social e se perde na aquisição da segunda língua que é a modalidade oralizada e escrita causando comprometimentos no processo de ensino-aprendizagem. O processo de aprendizagem precisa ser satisfatório e prazeroso para que o envolvido se sinta realizado em sua construção psíquica e entenda o sentido de aprimorar suas competências sociais visando seu próprio desempenho em situação de interação. Por essas razões este trabalho teve como objetivo focalizar em compreender o percurso do surdo na educação básica e conhecer a realidade vivenciada por eles no processo de aprendizagem e as dificuldades enfrentadas durante o desenvolvimento pessoal. Participaram 4 alunos surdos com formação superior em Letras-Libras pela Universidade Federal de mato Grosso (UFMT). Foi elaborado um roteiro de entrevista semiaberta, sendo esta realizada no espaço acadêmico da UFMT, filmada em Língua de Sinais e, posteriormente, traduzida e transcrita para Língua Portuguesa na modalidade escrita. Os participantes dessa pesquisa têm faixa etária média de trinta e três anos e são sujeitos com modalidade de surdez apresentada pela área da saúde como pessoas com surdez profunda que são os indivíduos que apresenta perda auditiva superior a noventa decibéis. Todos os participantes são sujeitos únicos com surdez em suas famílias e tiveram contato com a Libras entre dez e doze anos, uma idade vista como tardia para aquisição da primeira Língua. Do total, três participantes foram inseridos na educação escolar na fase correspondente. Todos os participantes relataram que o período que estavam na educação básica passaram por muitas dificuldades no processo de ensino-aprendizagem e que não tinha comunicação com a comunidade escolar. Após o contato com a Libras, que aconteceu a partir dos dez anos de idade e com acompanhamento de tradutor-interprete em sala de aula que o conhecimento cientifico das disciplinas escolar começaram a fazer sentido. Assim entende-se que a inclusão de alunos surdos em escolas regulares precisa ser revista para que o sujeito tenha seu processo de aprendizagem e desenvolvimento coerente as suas necessidades. O uso coerente da linguagem acarreta na organização do pensamento e atribui ao homem o conhecimento e o comportamento nas diversas esferas sociais e culturais.

 

Palavras – chaves: Surdo. Educação básica. Desenvolvimento. Libras.

 

Referências Bibliográficas

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências, 2002. Disponível em:  <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm> Acesso em: 13 jul. 2018.

BRASIL. Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm > Acesso em: 19 jul. 2018.

VIGOTSKII, L.S.; Luria, A.R.; Leontiev, A.N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1994.