Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
O PAPEL DO PSICÓLOGO NA ESCOLHA PROFISSIONAL DE ADOLESCENTES NA CONTEMPORANEIDADE
Mirelli França Santos

Última alteração: 29-06-19

Resumo


A adolescência se caracteriza como uma fase onde o sujeito perpassa por inúmeras mudanças, desde seu corpo físico, até o desenvolvimento e maturação de seus ideais. É um período onde grande parte dos indivíduos se defronta com a tarefa de escolher o que ser quando crescer. Este período é o momento em que o adolescente passa por um luto da perda do corpo infantil e elaboração do fim da simbiose familiar, onde os pais detêm uma relevante influência na construção da identidade profissional, que por vezes se torna prejudicial para o desenvolvimento da autonomia do sujeito adolescente. A construção da identidade, a busca pela autonomia e o imperativo da escolha profissional são consideradas como tarefas inerente à fase. Uma fase onde o sujeito está imerso num mundo de possibilidades, se depara com dúvidas, medos e inseguranças, onde seu olhar está voltado para o que ser quando crescer, o que sentir, fazer. A metodologia que será utilizada nessa pesquisa é a de revisão bibliográfica de tipologia qualitativa e descritiva, cujo objetivo é resgatar trabalhos já realizados e evidencia-los afim de confirmar ou atualizar variáveis importantes no que tange a problemática. Os periódicos que serão selecionados para a construção da pesquisa, têm como critério de seleção o período de 15 anos, isto é, busca-se ter trabalhos de cunho contemporâneo, visto que o tema da pesquisa é evidenciar a problemática a partir de uma ótica atual. A escolha profissional nesse período se dá como um fator importante na construção dessa identidade, visto que cada vez mais se vê jovens ingressando no mercado de trabalho. A escolha profissional na adolescência, é o momento onde o adolescente resgata processos ligados a infância, este onde o sujeito se depara com processos identifica tórios, projeção, construção e constituição de uma identidade. O processo de escolha acaba por se tornar algo complexo e angustiante, visto que o adolescente se depara com o desejo de escolher uma determinada profissão e não contrariar a influência que os pais, inconscientemente, depositam no jovem.  O ato de escolher uma profissão implica questões de autoconhecimento, de descortinar o conhecimento que temos de si e entender que esses aspectos são essenciais para formação de um profissional. Escolher o que ser quando crescer, é de fato um passo na maturação das ideais do sujeito, e consolidação de uma identidade. A escolha profissional é a expressão do próprio sujeito. É o resumo de sua história particular. Conhecer seus reais motivos significa conhecer sua história de vida, suas vivências psíquicas, suas marcas, as impressões primeiras.  A importância do papel do orientador profissional deve ser destacada, com a função de orientar e informar. Esse profissional de orientação deve estar ciente de todas estas mudanças e das tendências que o mercado está apresentando. Como auxiliar, esclarecer dúvidas e propor a exploração de situação que eu mesmo, como profissional de orientação, não conheço?  Ainda sobre o papel do psicólogo, este profissional conta com uma ferramenta fundamental e que atua como um dispositivo norteador na orientação profissional, que é a avaliação psicológica. A utilização de teste, entrevistas e questionários nunca devem ser considerados de forma isolada, mas sim num constructo de fatores, com o intuito de realizar uma análise mais fidedigna e não limitada do sujeito. Considera-se assim importante para o adolescente, como auxílio na escolha de uma profissão. Diante do que foi exposto, pode se concluir que o profissional de psicologia atua como facilitador no contexto de orientação profissional, partindo do pressuposto das teorias psicodinâmicas, o sujeito orientado participa de uma forma que expresse suas ideias, construa ou consolide uma identidade, e assim realiza uma escolha.

Palavras Chaves: Psicologia; Escolha profissional; Adolescência.

REFERÊNCIAS:

ABERASTURY, Arminda; KNOBEL, Marcelo. Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

BOCK, Ana Mercês Bahia. A escolha profissional em questão. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.

LEITÃO, Ligia Mexia Leitão. Avaliação dos interesses. Coimbra: Quarteto, 2004.

PRIMI, Ricardo; MOGGI, Melissa Aparecida; CASELLATO, Érica Oliveira. Estudo correlacional do inventário de busca autodirigida (self-directed search) com o IFP. Psicol. Esc. Educ., Campinas, v.8, n.1, p.47-54, 2004.

SOARES, Dulce Helena Penna. Orientação vocacional ocupacional: novos achados teóricos, técnicos e instrumentais para a clínica, a escola e a empresa. Porto Alegre: Artmed Editora, p. 115-131,2002.