Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
PSICOLOGIA COMO PROMOTORA DE SAÚDE: PLANTÃO PSICOLÓGICO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE
Pâmela Thais Delmondes, Cintia Souza Abreu, Fernanda Candido Magalhães

Última alteração: 30-06-19

Resumo


Este trabalho tem por objetivo discutir a experiência de pesquisa de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal de Mato Grosso (PPGPsi/UMFT), na cidade de Cuiabá, em Mato Grosso. O referencial usado compreensão das informações foi a Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), proposta por Carl Rogers que considera as questões psicológicas, sob a ótica de que os indivíduos, bem como o universo, têm tendência ao crescimento e desenvolvimento. Assim, o autor defende a existência de três atitudes promotoras desse crescimento humano: congruência, consideração positiva incondicional e compreensão empática, quando essas atitudes são vivenciadas em clima acolhedor, permitem à pessoa sentir-se aceita e com condições de desenvolver maior consideração consigo, tornando-se mais congruente, podendo proporcionar um desenvolvimento pessoal. A presente pesquisa apresenta recorte da inserção da Psicologia no “Programa Meu Parto”, o projeto desenvolvido em parceria com o Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Mato Grosso, e teve como objetivo o preparo de mulheres gestantes, e seus acompanhantes, para o parto humanizado. Para execução da proposta, contou-se com o apoio da equipe das Unidades Básicas de Saúde, os Enfermeiros e os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), que facilitaram o contato da equipe da pesquisa com as mulheres grávidas. Para critério de inclusão das participantes, foram convidadas gestantes que estivessem no primeiro trimestre da gestação, sendo possível realizar o acompanhamento em boa parte do período gestacional. A pesquisa teve como intenção oferecer às gestantes oportunidade de atendimento integral, pensando os modelos de assistência preventiva à gestante, levando em consideração que a gravidez pode redimensionar a rede de relacionamentos, podendo funcionar como alicerce na vinculação entre a família e o bebê. Este período necessita da convergência de esforços preventivos da assistência no ciclo gravídico-puerperal, e que resulte em atendimento integral e integrado que promova a saúde física e mental de pais e filhos. Isso faz pensar na importância dos processos de cuidados no pré-natal, tanto para a saúde da gestante, como da criança, chegando a dizer que quanto mais investimento em políticas de saúde o governo fizer, maior será o bem-estar e saúde da população. Foi nessa perspectiva que o projeto foi desenvolvido, compreendendo o acompanhamento das mulheres grávidas durante o pré-parto, momento em que estão se preparando para o nascimento de seus filhos. Considerando a necessidade de se pensar os aspectos psicológicos no momento do preparo da gestante, lançou-se mão do Plantão Psicológico como estratégia de promoção de saúde para as participantes do “Programa Meu Parto”. Enquanto Psicóloga, pesquisadora e facilitadora do crescimento humano, a inserção da escuta se deu durante o preparo no período gestacional, no qual o acolhimento visa o desenvolvimento saudável da gestante e do bebê, na intenção de que possam crescer e se fortalecer de modo autônomo. Assim, o objetivo foi investigar a relevância da escuta psicológica centrada na gestante, descrevendo seu processo experiencial de crescimento e analisar o fluxo de crescimento humano, com base nos atendimentos realizados com Plantões Psicológicos que aconteceram nas Unidades Básicas de Saúde dos bairros Dr. Fábio I e II.  O Plantão psicológico é um sistema de atendimento psicológico disponibilizado a quem necessite dele e, na pesquisa a escuta ocorria semanalmente, colocando em prática as atitudes facilitadoras para o crescimento humano e este clima de acolhimento e respeito às gestantes nos mostrou que o acompanhamento humanizado às gestantes foi um diferencial em suas vidas, sendo possível ampliar as concepções sobre parto e nascimento, caminhando para a construção da autonomia das gestantes, pois estas mostraram reconhecer o seu papel ativo, de fato, assumindo o momento exclusivo de suas vidas ao nomearem como “meu parto”. Por se tratar de pesquisa em andamento, as informações coletadas estão em processo de compreensão pela pesquisadora, de modo a verificar como se deram os processos de mudança nas mulheres que procuraram o plantão psicológico. Até o momento, pode-se perceber que o espaço de escuta na modalidade de plantão, disponibilizado às gestantes, foi significativo para as que o buscaram, tendo em vista ser espaço em que se sentiram à vontade para falar de quaisquer questões, relacionadas ao processo gestacional, sobre o parir, ou de situações das quais não sentem-se à vontade para tratar em qualquer ambiente.

Palavras chaves: Abordagem Centrada na Pessoa, Plantão, Parto humanizado, Psicologia Humanista.

Bibliografia

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Repensando a Pesquisa Participante. 3. ed. [s.l.]: Brasiliense, 2001.

MAHFOUD, Miguel. Desafios sempre renovados: Plantão Psicológico. In: TASSINARI, Márcia Alves; CORDEIRO, Paula da Silveira; DURANGE, Wagner Teixeira. Revisitando o plantão psicológico centrado na pessoa. 1. ed. Curitiba: CRV, 2013. cap.1, p33-50.

MALDONADO, Maria Tereza. Psicologia da Gravidez: Gestando Pessoas para uma Sociedade Melhor. São Paulo: Ideias e Letras, 2017.

ROGERS, C. (2009). Tornar-se Pessoa. (6º Ed.) São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1961).

TASSINARI, Márcia Alves. A Clínica da Urgência Psicológica: Contribuições da Abordagem Centrada na Pessoa. 2003. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psicologia. Rio de Janeiro, 2003.

WOOD, John Keith. Abordagem Centrada na Pessoa. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1994. pp. 227-239.