Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
OFICINA DE TEATRO DO OPRIMIDO “TECENDO REDES PARA ACOLHER: PRECISAMOS FALAR SOBRE SAÚDE MENTAL NO CONTEXTO ACADÊMICO”
THAÍSA SOARES

Última alteração: 30-06-19

Resumo


A oficina convida as/os participantes a praticar alguns jogos teatrais propostos pela metodologia do Teatro do Oprimido tendo por temática as relações entre o contexto acadêmico e a saúde mental. Esta proposta está articulada ao projeto de extensão Tecendo Redes para Acolher inserido no Programa de Atenção Psicossocial à Comunidade Acadêmica (SIEX, 2018). Esta proposta se articula ao GT 3 - Atenção Psicossocial à Comunidade Acadêmica. Ao preconizar ações para o atendimento das necessidades de saúde mental aos Universitários, apostamos em elementos que possam construir saídas para redução das demandas de sofrimento que ocupam os espaços da Universidade. Constata-se ainda que a relação com o outro seja constituída a partir de um conjunto de disposições dos processos grupais, que possam movimentar na/o participante o conhecimento de suas necessidades, e da aceitação de alguns pressupostos e predisposições, evidenciando o caráter marcadamente necessário das comunidades, redes de apoio e de sociabilidade. .Nesse sentido, é importante que o espaço da universidade possa acolher novos paradigmas de saúde mental no campo psicossocial. Ao preconizar ações para o atendimento das necessidades de saúde mental, apostamos em elementos que possam construir saídas para redução das demandas de sofrimento que ocupam os espaços da Universidade. Queremos propor um espaço para que possamos falar sobre esta temática. Nesta oficina não destacaremos a dimensão terapêutica, mas principalmente a dimensão coletiva do fazer teatral. A oficina terá por temática as relações entre saúde mental de universitárias/os e contexto acadêmico, questão disparadora da oficina. A metodologia será desenvolvida a partir da proposição de jogos teatrais, dramatizações simples e discussões sobre a temática. Esperamos que esta oficina ofereça um espaço de partilha de técnicas desta emblemática metodologia de teatro popular favorável à atuação em diversos contextos; promova um espaço de discussão e palavra franca acerca da interface Saúde Mental e contexto acadêmico. Apostamos nas práticas dos exercícios e jogos do Teatro do Oprimido como aliadas, não no sentido de resolução de todos os problemas, mas como experimentações de novos agenciamentos entre corpo, espaço de fala e sofrimento psíquico. Encontrando nesta configuração grupal modos de atenção à saúde provenientes do fazer teatral em grupo, uma estratégia de cuidado e composição de saídas coletivas inventivas. Com abertura para possibilidades de intervir no processo saúde/sofrimento psíquico por meio da prática de atividades estéticas. A oficina terá a duração de três horas e requer o espaço de uma sala de aula vazia ou um espaço ao ar livre para participação máxima de 20 inscritas/os.