Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
Atenção ao cuidador de pessoas idosas no contexto da visita domiciliar multiprofissional de um hospital universitário
Jamille Silva Oliveira, Bruna Campos Andrade, Fernanda Cândido Magalhães, Aneliza Aparecida Borsato Jardim

Última alteração: 01-07-19

Resumo


O envelhecimento populacional é um processo crescente, tanto no Brasil como em outras partes do mundo, e caracteriza-se por ser um fenômeno gradativo multidimensional, associado ao aumento da expectativa de vida da população. Tal prolongamento, visto como conquista, pode ser acompanhado por enfermidades crônicas e incapacitantes, que podem ter implicações na perda da independência e/ou da autonomia da pessoa idosa, gerando demandas de cuidados permanentes por outra pessoa. Surge então a figura do cuidador, associada ao cuidar e que pode se tornar uma atividade desgastante, com fatores de risco à saúde de quem se dispõe ao lugar de cuidador. Diante disso, o presente trabalho tem por objetivo apresentar um relato experiencial acerca da atenção ao cuidador no contexto das visitas domiciliares, realizadas entre Março e Maio de 2019, no contexto do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde e do Idoso com Ênfase Cardiovascular (PRIMSCAV), do Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Cuiabá-MT. As visitas domiciliares consistem em instrumento de intervenção utilizado por equipes de saúde, com o intuito de promover ações em saúde, além de identificar situações de risco à população. No HUJM, a periodicidade das visitas é semanal, com duração média de duas horas. A equipe foi composta por profissionais da Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Medicina, especificamente da Geriatria; o público atendido foi de pacientes idosos impossibilitados de comparecer às consultas, por limitações físicas e/ou cognitivas. Além da realização conjunta da visita, a equipe realizou encontros de estudo associados às especificidades do público atendido e das áreas envolvidas. Em função das limitações apresentadas, os pacientes atendidos requeriam cuidados efetuados por cuidadores, membros ou não da família, que, com ou sem remuneração, cuidavam do idoso doente ou dependente no exercício das suas atividades diárias, tais como alimentação, higiene pessoal, medicação de rotina, acompanhamento aos serviços de saúde e demais serviços requeridos no cotidiano. Alguns dos possíveis desafios inerentes ao cuidar são a exposição contínua a eventos estressores, falta de manejo ou treinamento para a função, o ônus financeiro e físico, as poucas fontes de apoio emocional, as restrições no estilo de vida, o relacionamento com o idoso, os traços negativos residuais na relação cuidador-pessoa cuidada, as limitações estruturais, socioeconômicas entre outros. Diante de tais desafios, além de acompanhar o paciente, o papel da equipe é também de dar suporte ao cuidador, principalmente com orientações acerca da segurança, alimentação, higiene, saúde bucal, direitos e deveres, estímulos corporais e dos sentidos do paciente. Nesse sentido, o profissional da Psicologia pode atuar de modo a facilitar um espaço de escuta qualificada dos sentimentos, muitas vezes ambivalentes associados ao cuidado ou mesmo diante de fatores como a não adesão à terapêutica pelo paciente; a mediação de conflitos existentes entre cuidadores ou entre cuidador-sujeito cuidado; a verificação das implicações históricas na qualidade de vida do cuidador, como o uso de drogas psicotrópicas, doenças somáticas, isolamento social, estresse pessoal e familiar; a verificação da rotina de autocuidado do cuidador entre outras. Por se tratar de visita com equipe multiprofissional, podem haver limitações em relação ao tempo (curta duração) e espaço (características do ambiente onde o paciente se encontra), em relação às quais pode-se fazer o encaminhamento do cuidador à rede de atenção à saúde, para acompanhamento com menor periodicidade. Considera-se a visita domiciliar multiprofissional um instrumento de intervenção valioso, tendo em vista a busca da compreensão integral do sujeito e da sua rede protetiva, da verificação de cumprimento dos direitos da pessoa idosa, de uma visão contextualizada e facilitadora da compreensão dos fatores e determinantes associados ao adoecimento e à promoção de saúde dos sujeitos envolvidos. Diante do exposto, destacamos a relevância da inserção do profissional de Psicologia neste espaço, oportunizando aos sujeitos envolvidos, seja à equipe, à rede protetiva ou ao paciente, espaço de escuta qualificada, primordialmente com atenção à condição emocional associada ao cuidar, facilitando a exposição de sentimentos ou situações significativas para intervenções de promoção de saúde ou prevenção de agravos.


Palavras-chave: Psicologia Hospitalar, visita domiciliar, equipe multiprofissional, cuidadores.


Referências Bibliográficas

AREOSA, R. C., AREOSA, S. V. C., HENZ, L. F. & LAWISH, D. Cuidar de si e do outro: Estudo sobre os cuidadores de idosos. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 15, n. 2, p. 482-494, 2014.

BEUTER, M., DONATI, L. & SCHIMITH, M. D. Organização do Cuidado ao Idoso Dependente. Textos & Contextos, v.17, n.1, p. 115 - 125, 2018.

BRASIL. Guia prático do cuidador. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

FERNANDES, M. G. M. & GARCIA, T. R. Determinantes da tensão do cuidador familiar de idosos dependentes. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 62, n. 1, p. 57-63, 2008.

JAGER, M. E. & VASCONCELOS, A. T. A percepção de psicólogos sobre o envelhecimento. Psicologia e envelhecimento. Multiciência online, p. 163-197, 2016.

PEREIRA, L. S. M. & SOARES, S. M. Fatores que influenciam a qualidade de vida do cuidador familiar do idoso com demência. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n.12, p. 3839-3851, 2015.