Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
Psicologia e Arte: O fazer teatral como potencializador do desenvolvimento de estudantes
Guilherme Tomas de Santana Junior, Jane Teresinha Domingues Cotrin

Última alteração: 24-06-19

Resumo


Ao vislumbrar a possibilidade de pesquisar na área de Psicologia e Educação, pensamos em projetos que utilizam a arte, especificamente o teatro, e seus impactos para o desenvolvimento de diferentes potencialidades humanas, sendo pertinente entender a Psicologia e suas interfaces com o teatro. Considerando que desde os períodos pré-históricos, a arte tem acompanhado a história da humanidade com os registros de pinturas rupestres.  Tais pinturas caracterizavam as primeiras formas de ação, demonstrando que o homem, naquele tempo, já se interessava em se expressar de maneira diferente. A arte foi se perpetuando como expressão dos povos de acordo com a época e a cultura, perpassando pela idade antiga, média, moderna e contemporânea. Por conta da nossa própria história e de como a arte se coloca no desenvolvimento da ontogênese e da filogênese, torna-se relevante para a Psicologia entender como se dá a relação das pessoas com a arte, como esta afeta a vida cotidiana. Neste sentido, podemos citar algumas pesquisas que já falam desta aproximação e/ou relação entre Psicologia e Arte, a exemplo de Petroni (2013), Mansano e Cedeño (2014), Barroco e Superti (2014). Vigotski já havia falado anteriormente sobre a intensa relação entre arte e vida, e de como a arte recolhe da vida o seu material, mas produz acima desse material algo que ainda não está nas suas propriedades. A arte tem uma estruturação específica, diferenciando-se de outros objetos culturais, como a filosofia e a ciência, embora operando também com signos e significados. Diferencia-se por lidar de modo intencional e por colocar em movimento, sobretudo, as emoções e sentimentos, objetivados nas obras, cuja apropriação pode trazer transformações tanto para as funções psicológicas específicas, como para a consciência. Desse modo, a obra de arte, por sua estrutura específica e condição de objeto cultural, pode trazer nova organização psíquica ao indivíduo, considerando que oportuniza a vivência indireta de emoções, sentimentos e relações sociais. Vigotski destaca a necessidade de uma íntima relação entre psicologia e arte, pois considera que esta exprime a sociedade que lhe dá origem e objetiva na obra, objeto cultural, características psicológicas complexas. Ao mesmo tempo, possibilita a apropriação de tais características humanas pelos indivíduos. A partir destas considerações perguntamos: Como um projeto educacional que utiliza o teatro pode contribuir para o desenvolvimento de diferentes potencialidades humanas? Para responder a esta pergunta, propomos uma pesquisa qualitativa que tem como objetivo geral: Compreender como a arte, especificamente, o teatro, colabora para o desenvolvimento humano e quais são os aspectos que, efetivamente, são desenvolvidos. E específicos: analisar o projeto FETRAN como ferramenta de aprendizagem e transformador de atitudes; identificar os comportamentos dos estudantes acerca da temática trânsito antes e depois da participação no projeto; identificar outras potencialidades desenvolvidas no decorrer desta participação. Trata-se de uma pesquisa em interface com Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Escolar. Caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa, uma vez que se apresenta como a melhor metodologia para esta temática porque trabalha com o universo dos significados, dos motivos, das aspirações, das crenças, dos valores e das atitudes. Os participantes da pesquisa serão seis estudantes que encenaram juntos um espetáculo teatral no projeto FETRAN no ano de 2018, representando a Escola Estadual Dona Rosa Frigger Piovezan do município de Comodoro/MT. A metodologia empregada na produção de dados para a coleta será o relato de experiência em ensaios. A análise será feita por meio da Análise Temática. A pesquisa encontra-se na fase de delineamento dos ensaios como produção de dados para análise. Possui financiamento da CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior. Esperamos identificar a eficácia do projeto FETRAN e do fazer teatral na contribuição para o desenvolvimento dos participantes.

Palavras-chave: Psicologia, Arte, Teatro, Educação.

 

REFERÊNCIAS

ASBAHR, F. S. F. Sentido pessoal, significado social e atividade de estudo: uma revisão teórica. Psicologia Escolar e Educacional, 18(2), 265-272, 2014.

BARROCO, S.M.S.; Superti, T. Vygotsky e o estudo da psicologia da arte: contribuições para o desenvolvimento humano. Psicologia e Sociedade, 26 (1). 22-31, 2014

FISCHER, E. A Necessidade da Arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

MANSANO, S. R. V.; CEDEÑO, A. A. L. A estrela dançante em nós: aproximações entre Arte e Psicologia. Revista Espaço Acadêmico, v. 13, n. 153, 17-25 fevereiro de 2014.

MINAYO, M. C. S. (org.). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª Edição. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

PETRONI, A. P. Psicologia Escolar e arte: possibilidades e limites da atuação do psicólogo na promoção da ampliação da consciência de gestores. Tese de Doutorado em Psicologia como Profissão e Ciência, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências da Vida, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Campinas, SP, 2013.

SILVA, J. E. L. F. Entre o Teatro e a Psicologia: Processos e vivências da mudança psicológica em contexto teatral. Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade do Porto. Portugal, 2013.

VIGOTSKI, L. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1998.