Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
RE-LABORAR - PROPOSTA DE INTERVENÇÃO DA “CLÍNICA DO TRABALHO” JUNTO AOS TRABALHADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER
Andre Baptista Leite, Maria Aparecida Campos, Isabel Scarlet Pereira Lima, Gabriela Nunes Rocha Taques

Última alteração: 06-07-19

Resumo


O projeto RE-LABORAR é fruto do Estágio Supervisionado Específico/ESE em Psicologia Organizacional e do Trabalho realizado por estudantes do curso de Psicologia, da Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT. A primeira parte do ESE foi realizada na Coordenação de Assistência Social e Saúde do Servidor (CASS), responsável por prestar serviços à saúde dos trabalhadores da Universidade Federal de Mato Grosso, com a análise do índice de afastamentos de servidores por motivos de saúde, especialmente relacionados ao CID-F (transtornos mentais). Em decorrência do elevado número de trabalhadores afastados por problemas relacionados à saúde mental no Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM), viu-se a necessidade de desenvolver uma intervenção com intuito de melhorar a qualidade de vida e as relações interpessoais implicadas no contexto do trabalho. Assim, o projeto Re-Laborar vem com a proposta de auxiliar os trabalhadores do HUJM no processo de reelaboração e ressignificação do espaço laboral a fim de evitar o adoecimento e alcançar satisfação com as atividades desenvolvidas. Compreender o processo saúde-doença no contexto de trabalho vem se tornando cada vez mais premente em face da intensificação de mudanças e precarização nas relações de trabalho e da necessidade de possibilitar espaços de fala e escuta que promovam e oportunizem a autonomia dos sujeitos, qualidade de vida e bem-estar no ambiente de trabalho. O projeto em desenvolvimento se dispõe a promover encontros com grupos de trabalhadores voluntários, mediados por estagiários do último semestre do curso de Psicologia da UFMT – Campus Cuiabá, fundamentados nas abordagens teóricas de Yves Clot e Christophe Dejours, a saber, Clínica da Atividade e Psicodinâmica do Trabalho, respectivamente. A clínica da atividade permite um deslocamento daquele que trabalha para o lugar de observador do seu próprio trabalho, convocando-o a falar e, assim, pensar sobre a atividade, inclusive sobre as ações não realizadas, que não deixam de estar presentes. Esse diálogo possibilita a reflexão sobre a forma como se está realizando a atividade, permitindo o surgimento de novas formas de pensar o ofício. O profissional então assume o protagonismo diante de seu trabalho, desenvolvendo novos recursos para suas ações dentro do espaço laboral (SOUTO, LIMA & OSÓRIO, 2015). Já a Psicodinâmica do Trabalho busca modificar as relações subjetivas no trabalho. Modifica não o trabalho, mas sim o trabalhador. Tem por objetivo, então, compreender os aspectos psíquicos e subjetivos que são mobilizados a partir das relações e da organização do trabalho, estudando os aspectos menos visíveis que são vivenciados pelos trabalhadores (sofrimento, mobilização da inteligência, motivação, estratégias defensivas etc.). A escuta proposta pela psicodinâmica do trabalho é realizada de forma coletiva e visa favorecer processos de reflexão e de elaboração frente às atividades laborais (HELOANI & LANCMAN, 2004). Com as intervenções, pretende-se: possibilitar espaço de fala e escuta aos profissionais do Hospital universitário Júlio Muller; promover debates a respeito das possibilidades de ação no trabalho para além das que são adotadas no cotidiano; potencializar e ampliar o poder de agir dos profissionais; potencializar os recursos individuais e coletivos para lidar e resolver as situações de trabalho; e, contribuir para a promoção de saúde no trabalho. O projeto encontra-se na fase de divulgação por meio de intranet, mensagens nos grupos profissionais, cartazes nos quadros de avisos e ação direta dos estagiários nos setores com entrega de marca página informativo e convite com esclarecimentos verbais. As fases seguintes serão: apresentação completa do projeto e do Termo de Consentimento Livre Esclarecido, aplicação da Escala de Avaliação do Contexto de Trabalho - EACT, escuta para levantamento da demanda, análise da demanda, apresentação das demandas identificadas e definição do foco dos encontros seguintes, discussão e utilização de instrumentos em conformidade com as metodologias propostas (conforme demanda), avaliação do projeto e definição de encaminhamentos (ações específicas para os trabalhadores, propostas para administração do Hospital) e encerramento do projeto. A partir disso, espera-se que ocorra a redução dos níveis de sofrimento e adoecimento psíquico motivados pelo trabalho; que os profissionais se tornem mais conscientes de suas possibilidades de ação sobre o trabalho; e que relações interpessoais no ambiente de trabalho aconteçam de forma mais saudável, impactando positivamente na produtividade e na qualidade dos serviços prestados.

PALAVRAS-CHAVE: Trabalho, Saúde, Adoecimento, Clínica do Trabalho.

REFERÊNCIAS:

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento – ITRA: instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In: MENDES, A. M. (Org.). Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

 

HELOANI, R.; LANCMAN, S. Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Production, 2004.

 

SOUTO, A. P.; LIMA, K. M. N. M.; OSÓRIO, C.. Reflexões sobre a metodologia da clínica da atividade: diálogo e criação no meio de trabalho. Laboreal, Porto, v. 11, n. 1, p. 11-22, jul. 2015.