Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
Atuação profissional em contexto escolar: desafios atuais
Guilherme Tomas de Santana Junior, Gleice Kelly Campos Barbosa da Silva

Última alteração: 26-06-19

Resumo


Na década de 1980, Maria Helena Souza Patto, levanta uma grande discussão acerca da produção do fracasso escolar, por meio de uma de suas principais obras: “A produção do fracasso escolar - Histórias de submissão e rebeldia” em que indicava como o modo capitalista de pensar a realidade estava diretamente ligado as explicações para este fracasso. Sendo estas, repletas de estereótipos e preconceitos. Vale mencionar que durante a inserção da Psicologia no campo educacional em nosso país, realizamos um trabalho que por diversas vezes,  visava individualizar questões educacionais nos sujeitos que não aprendiam. Criando um mecanismo de culpabilização destas pessoas pelo seu processo de dificuldades de ensino e aprendizagem. Desta maneira pensar a presença do profissional de Psicologia neste campo requer uma leitura histórica e social daquilo que já fizemos, e do que podemos fazer hoje (o que nós queremos). Ainda hoje persiste em muitas formações um olhar individualizador para estes processos escolares, sendo necessário fomentar mais espaços de formação que permitam uma visão crítica. Vale mencionar que é preciso entender educação como prática social humanizadora, intencional, cuja finalidade é transmitir a cultura construída historicamente pela humanidade. A historicidade e a sociabilidade são constitutivas do ser humano; a educação é, nesse processo, determinada e determinante. Portanto, a escola pode ser considerada como uma instituição gerada pelas necessidades produzidas por sociedades que, por sua complexidade crescente, demandavam formação específica de seus membros. A escola adotou ao longo da história diversas formas, em função das necessidades a que teria que responder, tendo sido, em geral, destinada a uma parcela privilegiada da população, a quem caberia desempenhar funções específicas, articuladas aos interesses dominantes de uma dada sociedade. Essa realidade deve ser, no entanto, compreendida também a partir de suas contradições, sobretudo a concepção de escola como instância que se coloca hoje como uma das condições fundamentais para a democratização e o estabelecimento da plena cidadania a todos, e que, embora não seja o único, é certamente um dos fatores necessários e contingentes para a construção de uma sociedade igualitária e justa. Sob essa perspectiva, a escola, tal como nós a concebemos, tem como finalidade promover a universalização do acesso aos bens culturais produzidos pela humanidade, criando condições para a aprendizagem e para o desenvolvimento de todos os membros da sociedade. Neste sentido, se faz necessário uma psicologia capaz de compreender o processo ensino-aprendizagem e sua articulação com o desenvolvimento, fundamentada na concreticidade humana (determinações sócio-históricas), compreendida a partir das categorias totalidade, contradição, mediação e superação. Deve fornecer categorias teóricas e conceitos que permitam a compreensão dos processos psicológicos que constituem o sujeito do processo educativo e são necessários para a efetivação da ação pedagógica. Portanto, a ação do psicólogo escolar deve pautar-se no domínio do referencial teórico da psicologia necessário à educação, mediatizado necessariamente por conhecimentos que são próprios do campo educativo e das áreas de conhecimento correlatas. Daí, a necessidade de superação das práticas tradicionais do psicólogo escolar, muitas vezes pautadas ainda numa perspectiva, nem sempre consciente ou assumida, de ação clínico-terapêutica. Posto isso, podemos questionar: qual a atuação recomendada no contexto escolar? Para auxiliar na busca por algumas respostas, propomos este minicurso que tem como objetivo geral: Apresentar referências  teóricas e técnicas sobre o fazer psi no contexto escolar. E objetivos específicos: Explanar sobre a inserção das psicólogas na educação e seus desafios na atualidade; Promover a reflexão sobre a importância do profissional de Psicologia na escola; Suscitar debates acerca de temas políticos fundamentais e transversais no exercício da profissão. Como metodologia, propomos roda de conversa sobre o tema com suporte da produção científica de Psicologia e Educação e também da Referência Técnica do Conselho Federal de Psicologia por meio do CREPOP - Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. Esperamos com este mini curso contribuir na formação de estudantes de graduação, pós-graduação, profissionais e todos participantes da VIII Semana de Psicologia e I Encontro do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFMT. Congregando junto ao Grupo de Trabalho 9 - Psicologia e Educação reflexão sobre experiências teóricas e práticas na atuação de psicólogos e psicólogas com demandas educacionais.

Palavras-chave: Psicologia, Educação, Atuação Profissional.


REFERÊNCIAS

ANTUNES, Mitsuko Aparecida Makino. Psicologia Escolar e Educacional: história, compromissos e perspectivas. Psicologia Escolar e Educacional. (Impr.), Campinas , v. 12, n. 2, Dez. 2008 .

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para Atuação de Psicólogas(os) na Educação Básica / Conselho Federal de Psicologia. - Brasília: CFP, 2013.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz, 1999.