Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
A UNIVERSIDADE COMO UM AMBIENTE ESTRESSOR: UM ESTUDO A PARTIR DA TCC - TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL
Isabella Flores de Lima, Isabella Flores de Lima

Última alteração: 04-07-19

Resumo


Este trabalho abrange como tema o espaço da Universidade como ambiente estressor diante da vulnerabilidade social e psíquica que provoca ou possibilita o aumento de incidência de casos de sofrimento psíquico entre estudantes universitários. O trabalho busca analisar os impactos da formação acadêmica, focalizando situações estressoras neste ambiente. O enfoque teórico utilizado neste estudo é pautado na Teoria Cognitivo Comportamental, como proposta de Aaron Beck (1997). O estudo foi desenvolvido a partir da pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico em que foram focalizadas as produções no âmbito da Psicologia acerca da temática, sendo os critérios de busca delineados pelas categorias teóricas: crenças dos universitários, caracterização do ambiente da universidade e os comportamentos adotados pelos estudantes no contexto da sua vivência na universidade. Segundo algumas pesquisas e casos, a vulnerabilidade social e psíquica é notória de forma frequente na graduação atualmente. A circunstância em questão tem sido marcada por diferentes informações sobre o sofrimento psíquico entre jovens estudantes. O tema que ora estudado é o âmbito acadêmico como um ambiente estressor que contribui para o desencadeamento de depressão, ansiedade, bem como outras questões de ordem psicológica. Com base na terapia cognitivo comportamental, este trabalho pontua como o psicólogo cognitivo atua de forma a contribuir com a promoção de saúde e bem-estar das pessoas, neste caso, estudantes universitários.  Nesta pesquisa objetivamos analisar os impactos da formação acadêmica e a incidência de transtornos entre jovens estudantes, possíveis tratamentos para esse público que estuda e vivencia um momento de construção da formação profissional futura. Santos e Polydoro (2013), afirmam que desde o ingresso ao ambiente acadêmico diante da vulnerabilidade psíquica, física e social os estudantes passam por um processo complexo de adaptação, integração, ajustamento até o fim da formação. Alguns estudos têm destacado que há relação íntima entre a vulnerabilidade psíquica e social, e em tal público tem aumentado o número de sofrimento psíquico. Este estudo mostra-se pertinente, uma vez que a formação intelectual voltada para uma determinada profissão, bem como a própria escolha profissional constitui um momento de intensa preocupação, sobre a vida acadêmica, que em alguns casos vai desencadeando problemas na sua saúde mental. Tendo em vista a maneira como a universidade assume a centralidade na vida do jovem, este estudo propõe problematizar tal temática a partir dos pressupostos da Psicologia, ciência que se difere de outros cursos, pois projeta o indivíduo para além do que ele próprio consegue se constituir.  Portanto, esta pesquisa tem como finalidade identificar elementos que caracterizam a universidade como um ambiente estressor, incentivando a reflexão acerca da problemática não só à profissionais da saúde, mas também a sociedade para se manter informada a respeito desses acontecimentos que interferem na vida do jovem estudante, assim, promovendo a elaboração de atividades que promovam a qualidade de vida entre os universitários. Este trabalho está orientado pelo seguinte problema: Como o psicólogo cognitivo trabalha na construção de ferramentas e dispositivos capazes de promover a saúde entre estudantes universitários em um ambiente estressor que tem desencadeado sofrimento psíquico entre esse público? Nesse sentido, cabe questionar, quais técnicas ou tratamentos que a Terapia Cognitivo Comportamental usa para identificar/compreender o contexto que está influenciando alguns comportamentos disfuncionais a partir do ambiente estressor? Com este trabalho procura-se ainda, identificar os fatores estressores presentes na vida de um universitário, bem como os comportamentos disfuncionais a partir de fatores estressores presentes em um dado ambiente que impactam na vida de jovens universitários;  Verificar as estratégias da Terapia Cognitivo Comportamental para a atuação do psicólogo no contexto da promoção da saúde entre esses estudantes; Problematizar as contribuições da Terapia Cognitivo Comportamental no manejo de desesperanças e pensamentos disfuncionais, buscando compreender as relações entre eles; Apontar técnicas da Terapia Cognitivo Comportamental que podem ser utilizadas como dispositivo de melhoria e mudança desse ambiente estressor. Nesse sentido, algumas questões norteadoras são mobilizadas de forma a possibilitar a compreensão acerca de: Como o psicólogo identifica impactos causados por um ambiente estressor e como modificá-lo?

 

Palavras-chave: Ambiente, comportamento, vulnerabilidade social, sofrimento psíquico.

 

 

REFERÊNCIAS

BECK, A. T., RUSH, A. J., SHAW, B. F., & EMERY, G. ​Terapia cognitiva da depressão​​. Porto Alegre: Artmed, 1997.

 

SANTOS, A. A. A. G., POLYDORO, S. A. J., SCORTEGAGNA, S. A., & LINDEN, M. S. Integração ao ensino superior e satisfação acadêmica em universitários. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 7, 2013.